Mais professores para reabrir escolas com segurança

Israel deve contratar 15.000 professores para a volta às aulas. Quando as escolas reabrirem, em 1º de setembro, “não será possível oferecer educação integral para todos”, disse Gallant.

Para pôr em prática seu plano de reabrir escolas com segurança, Israel precisa contratar 15.000 novos professores. Mas a onda de contratações começará para valer apenas na próxima semana. “Este é um esforço nacional”, disse o ministro da Educação Yoav Gallant. “Isso não vai acontecer em um dia.”

Esforços em menor escala para reabsorver os israelenses nas salas de aula já estão em andamento. Entre os desafios estão a resistência entre alguns educadores israelenses a programas de treinamento acelerado que poderiam deixar os novos professores mal preparados para lidar com o trabalho em um momento particularmente difícil.

Israel reabriu as escolas para todos os alunos de todas as séries em maio. Mas no mês passado, as autoridades disseram que não iriam repetir essa abordagem neste outono e, em vez disso, reduziriam o tamanho das classes para crianças mais novas, e permitiriam que os alunos mais velhos frequentassem as aulas pessoalmente apenas em meio período. Ambas as decisões exigiriam mais professores.

De acordo com Gallant, o jardim de infância até a segunda série serão abertos normalmente, com cerca de 30 a 35 crianças por turma, na crença de que são o grupo com menor risco de contágio. Terceira e quarta séries serão abertas em grupos de até 18 alunos, cerca de metade do tamanho de uma classe normal. Os alunos mais velhos estudarão no Zoom na maior parte do tempo, mas terão aulas presenciais dois dias por semana.

Esta semana, o governo começará a trabalhar em programas para recrutar e treinar os milhares de novos professores necessários para fazer tudo isso acontecer.

O esforço centralizado se junta a muitos outros que já estão em andamento para lidar com a dupla crise – de desemprego e escassez de professores de Israel -, que é muito anterior à pandemia, mas foi exacerbada pela necessidade de reduzir o número de alunos reunidos a qualquer momento.

Rishon Letzion, uma cidade no centro de Israel, anunciou planos para oferecer treinamento de ensino no próximo ano para residentes desempregados. Um curso gratuito para professores está sendo planejado para novos imigrantes que foram educadores em seus países de origem, mas foram impedidos pela burocracia requerida para converter seus diplomas para escolas israelenses.

O governo nacional também lançou um modesto esforço para capacitar trabalhadores cujos empregos desapareceram durante a pandemia para se tornarem professores.

Depois que Dana Yadlin se tornou um dos quase 1 milhão de “desempregados por coronavírus” de Israel, quando seu trabalho em uma ONG se tornou irrelevante, ela decidiu perseguir um sonho antigo de se tornar professora. Em maio, ela se juntou a cerca de 400 alunos que foram aceitos em um programa apoiado pelo governo para acelerar o processo de certificação de ensino por meio de três meses de aulas intensivas de Zoom.

No final de agosto, Yadlin e os outros alunos terão cumprido cerca de 80% dos créditos necessários para a certificação. Eles receberão treinamento adicional, incluindo um mentor, durante o ano letivo, enquanto ensinam em suas próprias salas de aula. Eles também receberão uma bolsa de até 14.000 shekels (US$ 4.100).

O Índice Global de Status do Professor de 2018 concluiu que os professores israelenses estão entre os menos respeitados em todo o mundo. De acordo com uma pesquisa publicada pelo The Marker, um em cada cinco professores israelenses abandona a profissão nos primeiros três anos.

3 thoughts on “Mais professores para reabrir escolas com segurança

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *