Ministro nega uso ilegal de spyware pela polícia

O ministro da Segurança Pública, Omer Barlev, negou as alegações de que a polícia infringiu qualquer lei, em meio à indignação pública com as acusações de que a polícia usou regularmente spyware para invadir telefones de israelenses sem autorização.

Barlev disse que as investigações sobre o caso até agora não encontraram nenhuma evidência de irregularidades e elogiou a tecnologia avançada usada pela polícia, mas reconheceu a desconfiança generalizada do público na aplicação da lei.

O jornal negócios Calcalist informou, na terça-feira, que a polícia há anos faz uso generalizado do controverso spyware Pegasus do NSO Group contra civis israelenses, incluindo pessoas não suspeitas de nenhum crime, sem supervisão legal. Desde então, surgiram mais relatos de uso indevido.

A polícia não negou o uso da tecnologia e parece reconhecer o uso de spyware de rastreamento, o que não era conhecido publicamente antes da reportagem do Calcalist, mas insiste que os policiais não violaram nenhuma lei.

Barlev disse em uma entrevista ao Canal 12, no sábado, que a reportagem era imprecisa e defendeu o uso de tecnologia avançada pela polícia.

“Posso dizer que todas as investigações, inclusive as do procurador-geral, todas as investigações sobre todas as questões levantadas no artigo do Calcalist, exceto pelo fato de a polícia israelense usar tecnologia avançada, tudo estava incorreto”, disse Barlev.

LEIA TAMBÉM

O procurador-geral Avichai Mandelblit anunciou uma investigação sobre o caso na quinta-feira. Barlev disse que a investigação até agora não encontrou irregularidades, mas a investigação está em andamento.

Ele reconheceu a desconfiança generalizada do público em relação às negações da polícia após o relatório.

“A fé do público na polícia israelense já era baixa, então, e eu não gosto de dizer isso, mas não estou surpreso que a confiança do público na polícia não tenha ficado mais forte” devido ao caso, disse Barlev.

Ele disse que a polícia já conseguiu refutar a maioria das alegações do artigo, embora as alegações datassem de 2015, incluindo a acusação central de que a polícia grampeou ilegalmente os telefones de civis.

Ele reconheceu que foi impedido de ver parte do material investigativo, disse que seu escritório não era o responsável pela investigação e disse que não se envolveu com tecnologias específicas usadas pela polícia.

Ele disse que foi capaz de descartar rapidamente as alegações do artigo do Calcalist depois que ele saiu porque o site de notícias entrou em contato com a polícia para comentar antes de publicar, então ele sabia sobre o caso antes de ser divulgado.

Barlev disse que não se incomodou com os relatos da polícia usando tecnologia avançada nas investigações.

“Estou muito feliz que a polícia israelense tenha ferramentas avançadas para lidar com organizações criminosas muito robustas que usam as tecnologias mais avançadas”, disse ele.

Ele negou as alegações de que a polícia havia coletado informações primeiro usando o spyware, e depois buscado a aprovação, assim que uma investigação começou.

Nitzav Ygal Ben Shalom, chefe do ramo de investigação da polícia, também defendeu o uso de tecnologia avançada pela polícia em uma entrevista, na sexta-feira, ao Canal 13.

“Não há rastreamento e não há espionagem de forma alguma contra pessoas inocentes. Agimos e continuaremos a agir contra criminosos e empresas envolvidas em crimes graves. Vamos frustrá-los, encontrá-los e levá-los a julgamento”, disse ele.

“A polícia de Israel, na era digital, não pode ficar para trás”, disse ele. “Todos os criminosos usam ferramentas digitais para avançar em suas atividades criminosas. Não há como a Polícia de Israel agir para erradicar o crime sem essas ferramentas”.

Mandelblit informou o comissário de polícia Kobi Shabtai sobre a investigação da polícia na quinta-feira, dizendo em sua carta à polícia que “é difícil exagerar a gravidade do suposto dano aos direitos básicos” se o artigo for verdadeiro.

Ele disse que, embora as alegações “pintem um quadro altamente preocupante, o relatório não inclui informações suficientemente concretas, o que dificulta a identificação dos incidentes em questão”.

A matéria do Calcalist provocou protestos de parlamentares, ativistas e  especialistas em privacidade.

O Pegasus é considerado uma das ferramentas de vigilância cibernética mais poderosas  disponíveis no mercado, dando às operadoras a capacidade de controlar efetivamente o telefone de um alvo, baixar todos os dados do dispositivo ou ativar sua câmera ou microfone sem que o usuário saiba.

A NSO foi criticada  por vender a Pegasus a governos autoritários que usaram a tecnologia para espionar críticos do regime. A tecnologia também foi usada para obter acesso irrestrito a dispositivos de altos funcionários públicos de todo o mundo.

A NSO não confirmou nem negou que vendeu tecnologias para a polícia israelense, enfatizando que “não opera o sistema uma vez vendido a seus clientes governamentais e não está envolvida de forma alguma na operação do sistema”.

A polícia disse que as alegações específicas eram “infundadas”, mas não negou o uso do software em alguns casos. Ela argumenta que a atividade era legal e se baseava inteiramente em ordens judiciais e “protocolos de trabalho meticulosos”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

One thought on “Ministro nega uso ilegal de spyware pela polícia

  • 23 de janeiro de 2022 em 11:40
    Permalink

    Gostaria de receber o artigo Falar Hebraico não é tão fácil quanto parece.
    Estou aprendendo hebraico e queria material para ler

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: