Ministros não querem novo bloqueio

O número de novos casos de COVID-19 em Israel aumentou novamente na quinta-feira, enquanto os temores de disseminação da nova variante do Omicron continuam preocupando as autoridades de saúde.

De acordo com as últimas estatísticas do Ministério da Saúde, 1.400 novos casos de COVID foram confirmados na quarta-feira, o maior desde meados de outubro. A taxa de positividade também apresentou leve tendência de alta, atingindo 1,44%, ante 1,24% no dia anterior e 0,9% na semana anterior.

A taxa de reprodução, ou número “R”, também continuou em ascensão gradual, atingindo 1,34, ante 1,02 no início de dezembro. A taxa de reprodução ou transmissão é baseada em dados dos 10 dias anteriores e qualquer valor acima de 1 mostra que a pandemia está crescendo.

Casos graves e hospitalizações, no entanto, continuam baixos, pois os primeiros estudos sugerem que o Omicron pode não produzir sintomas tão graves quanto a variante Delta, embora ainda seja muito desconhecido.

Os especialistas em saúde continuam pedindo aos pais que vacinem seus filhos e que adultos e adolescentes recebam doses de reforço para ajudar a conter a disseminação do Omicron. E alguns parecem estar atendendo ao apelo, já que 9.402 pessoas receberam a primeira dose da vacina COVID na quarta-feira, o maior número em um dia desde o final de novembro.

Até agora, 13% de todas as crianças de 5 a 11 anos em Israel receberam pelo menos uma dose da vacina COVID, um mês depois de se tornarem elegíveis. Quase 62% de todos os jovens de 12 a 15 anos, que se tornaram elegíveis para a vacina em julho, receberam pelo menos uma dose. No geral, cerca de 70% de todos os israelenses receberam pelo menos uma dose da vacina e 45% receberam três doses.

LEIA TAMBÉM

Quase 50% de todos os novos casos diagnosticados na quarta-feira foram entre crianças em idade escolar, e mais de 35.000 alunos estão atualmente em quarentena após exposição a um paciente COVID.

O medo da Omicron levou Israel a fechar suas fronteiras para não cidadãos e restringir severamente as viagens de israelenses ao exterior. Depois de um acirrado debate no gabinete do coronavírus no início desta semana, o Ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, disse na quinta-feira que não apoia bloqueios prolongados e restrições a viagens.

“Precisamos entender que a COVID estará conosco por muito tempo”, disse Horowitz à Rádio do Exército. “Existe um vírus tortuoso e estamos aprendendo a conviver com ele. Nem sempre podemos bloquear e fechar os céus completamente. Não podemos viver indefinidamente em um bunker”.

Horowitz criticou, no entanto, comentários recentes do Ministro das Finanças, Avigdor Liberman, que se opôs às restrições às empresas e sugeriu que o governo não pagaria indenizações aos afetados.

“Ouvi os comentários do ministro das finanças e não concordo com ele na questão da compensação, nem os outros ministros”, disse Horowitz. “Se impusermos restrições que fecharão certos setores, o governo certamente pagará uma compensação”.

A Ministra da Economia, Orna Barbivai, também sugeriu que um novo bloqueio da COVID não era inevitável.

“Ninguém está planejando um bloqueio e, se chegarmos lá, aparentemente não agimos corretamente. Ou o público não está cooperando ou não vacinamos o suficiente”, disse Barbivai à emissora pública Kan nesta quinta-feira. “Como sabemos que essa variante está a caminho, queremos prevenir o contágio e a morte. Vejo grande vontade de cooperar entre as empresas ”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva