Moscou faz exigências difíceis à Agência Judaica

As autoridades russas fizeram uma série de exigências aos escritórios da Agência Judaica no país, em um movimento altamente incomum, que ameaçam a capacidade da organização semi-governamental de operar lá.

Yigal Palmor, chefe da unidade de relações internacionais da Agência Judaica, enfatizou que a Rússia não exigiu que a organização encerrasse suas atividades lá, ao contrário de uma reportagem do Jerusalem Post, que divulgou a história, e de uma afirmação posterior feita pela Ministra da Imigração Pnina Tamano-Shata.

“Não houve demanda para fecharmos, nem ultimato e nem prazo”, disse Palmor ao The Times of Israel.

Segundo Palmor, a entidade está analisando as demandas do Ministério da Justiça da Rússia.

Não ficou claro por que o governo russo emitiu novas demandas, agora. Jerusalém e Moscou estiveram em desacordo nos últimos meses sobre o apoio de Israel à Ucrânia após a invasão russa do país em fevereiro, bem como a campanha em andamento de Israel contra o Irã na Síria, que a Rússia às vezes tolera e às vezes se opõe abertamente. A Rússia é conhecida por realizar sérias repressões a organizações estrangeiras.

A Agência Judaica, um braço não oficial do governo israelense, tem a tarefa de supervisionar e incentivar a imigração para Israel, ou aliá. As pessoas que desejam imigrar para Israel devem enviar solicitações por meio da Agência Judaica.

Para facilitar isso, a organização mantém escritórios em muitos países e cidades ao redor do mundo, incluindo Moscou. Nos últimos anos, dezenas de milhares de cidadãos russos imigraram para Israel, com cerca de 10.000 chegando desde que a invasão russa começou no final de fevereiro.

LEIA TAMBÉM

Na sexta-feira passada, a organização recebeu uma carta do Ministério da Justiça da Rússia fazendo uma série de exigências à organização, o que seria um desafio para a Agência Judaica cumprir, disse Palmor. Como a organização ainda está discutindo o assunto com as autoridades russas, ele não revelou a natureza dessas demandas.

“Como parte de nosso trabalho, a delegação da Agência Judaica na Rússia é ocasionalmente obrigada a realizar certas adaptações conforme as exigências das autoridades. Mantemos contato constante com as autoridades, com o objetivo de continuar nossas atividades de acordo com as regras estabelecidas pelas autoridades competentes. Este diálogo continua agora”, disse a organização em comunicado.

A ministra a Aliá, Tamano-Shata, que alegou equivocadamente que a Rússia ordenou que a Agência Judaica fechasse seus escritórios, disse que estava trabalhando com o Ministério do Exterior e o Gabinete do Primeiro-Ministro para intervir no assunto.

“Pedi ao primeiro-ministro que tome medidas com o governo em Moscou para resolver essa questão. A imigração para Israel é um direito básico de todo judeu na Rússia e vamos garantir que continue assim”, disse ela em um comunicado.

Fonte: The Times of Israel
Foto: zeevveez from Jerusalem, Israel, CC BY 2.0 (Wikimedia Commons)