Novas regras para acabar com aglomeração no aeroporto

Funcionários do governo propuseram novas medidas para o principal aeroporto internacional do país para garantir que o distanciamento social adequado seja mantido e para evitar que os passageiros se amontoem nos balcões de check-in ou na fila para o controle de passaportes.

No domingo, a Ministra dos Transportes Miri Regev e o Ministro da Saúde Yuli Edelstein emitiram uma declaração conjunta dizendo que estabelecerão um grupo de trabalho com a tarefa de garantir que os protocolos de distanciamento social do coronavírus sejam observados no Aeroporto Ben Gurion.

O grupo é chefiado pelo Diretor-Geral Ofer Malka, do Ministério dos Transportes, e pelo Subdiretor-Geral do Ministério da Saúde, Itamar Grotto, que visitaram o aeroporto no final do domingo para traçar um plano para reduzir o congestionamento.

De acordo com o Ministério da Saúde, o plano vai recomendar que viajantes que voltem de áreas “verdes”, ou com baixo índice de infecção, tenham permissão para entrar rapidamente no país, sem questionamento no controle de passaporte.

Ele vai sugerir que até quatro aviões – sendo não mais que dois voltando de destinos de alta infecção – possam desembarcar ao mesmo tempo, com passageiros divididos em grupos de 20 a 30. O aeroporto também pedirá às companhias aéreas que garantam que os passageiros preencham seus formulários de saúde durante a viagem.

LEIA TAMBÉM

Prevê também o aumento do número de balcões de check-in e a abertura do serviço pelo menos quatro horas antes do voo.

A mudança aconteceu depois nos últimos dias terem sido vistas aglomerações nas salas de embarque e desembarque.

O vídeo do Aeroporto Ben Gurion no domingo mostrou centenas de pessoas esperando na fila nos balcões de check-in sem distanciamento social, apesar dos esforços dos funcionários do aeroporto encarregados de garantir que os passageiros cumpram as regras.

Na semana passada, o Canal 12 informou que grandes multidões de passageiros que voltavam estavam se formando no controle de passaportes para reentrar no país.

A Autoridade Aeroportuária de Israel disse em um comunicado no domingo que está “trabalhando para garantir o fluxo de passageiros de forma segura, com o objetivo de não criar cargas incomuns”.

A autoridade disse que é permitido o transporte de passageiros de até oito voos a cada três horas no terminal, “e pedimos aos passageiros que mantenham o distanciamento social e usem máscaras”.

O IAA disse que solicitou que a Polícia de Israel enviasse oficiais ao aeroporto para ajudar as dezenas de funcionários que tentavam manter a ordem.

Para aumentar as preocupações no aeroporto, um alto funcionário do Ministério da Saúde alertou no domingo que viajar para os Emirados Árabes Unidos poderia ser uma “bomba-relógio” do coronavírus.

O funcionário estava se referindo à decisão de Israel de manter os Emirados Árabes Unidos em sua lista de países “verdes” com baixas taxas de infecção, supostamente para evitar uma ruptura diplomática poucos meses após o estabelecimento de laços formais, enquanto a morbidade aumenta no país do Golfo.

“Dubai é a nossa nova Turquia”, disse o funcionário não identificado, citado pelo site de notícias Ynet, referindo-se ao grande número de israelenses que voltaram da Turquia carregando o vírus, contribuindo para sua disseminação no país.

O Ministério da Saúde estima que 224 pacientes retornarão com COVID-19 dos Emirados Árabes Unidos para Israel em dezembro, relatou a Ynet, mais do que qualquer outro país (a seguir estão a Turquia com uma estimativa de 86 e os Estados Unidos com 66).

Cerca de 10.000 israelenses estão atualmente em Dubai, disse o relatório.

Dubai disparou para se tornar um destino privilegiado para os israelenses após o acordo de normalização entre Israel e os Emirados Árabes Unidos em setembro e os acordos de viagens que se seguiram que resultaram em vários voos programados todas as semanas conectando Tel Aviv a Dubai.

De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, os Emirados Árabes Unidos diagnosticaram 183.755 casos de vírus e houve 609 mortes.

Com suas economias duramente atingidas pela pandemia do coronavírus, os Emirados Árabes Unidos e Israel esperam obter dividendos rápidos do acordo de normalização mediado pelos EUA.

Os voos diretos entre Israel e Dubai começaram no mês passado com viagens da FlyDubai, estatal dos Emirados Árabes Unidos, seguida por companhias aéreas israelenses.

Israel tem se esforçado para conter o aumento no número de infecções que ocorreu quando o governo revogou uma segunda ordem de bloqueio nacional para conter um segundo surto de COVID-19. Com o número de casos diários de vírus aumentando, as autoridades de saúde alertaram que uma terceira onda, e outro bloqueio, podem estar chegando.

Fonte: Times of Israel

Foto: Yoav Limor (Reprodução Twitter)

One thought on “Novas regras para acabar com aglomeração no aeroporto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *