Novo aplicativo impede acesso a dados pessoais

Programadores israelenses desenvolveram um aplicativo de rastreamento do coronavírus que impede o governo de ter acesso aos dados pessoais dos telefones. Dessa forma, afirmam ter resolvido a principal preocupação da população israelense, que temia que o acesso a esses dados comprometesse a privacidade dos cidadãos.

O Estado está pressionando fortemente o download do aplicativo governamental, HaMagen, que avisa os usuários se eles foram expostos ao coronavírus. Nas duas primeiras semanas do seu lançamento, em hebraico, árabe, inglês e russo, mais de um milhão de pessoas o baixaram.

Os programadores do aplicativo dizem que escolheram o design para evitar o rastreamento abusivo de telefones que ocorre em lugares como a China. “O design de nosso código não permite ao governo qualquer informação sobre o usuário, a menos que dê sua permissão expressa”, disse Eyal Ronen, professor assistente de ciência da computação na Universidade de Tel Aviv.

“As nações asiáticas, especialmente a China, conseguiram combater bem o coronavírus, mas o fizeram com meios inaceitáveis ​​de rastreamento nos países ocidentais. Visamos essa eficiência respeitando a privacidade”.

LEIA TAMBÉM

Ronen e seu sócio, o professor Benny Pinkas, chefe do centro de pesquisas cibernéticas da Universidade Bar Ilan, fizeram o projeto do aplicativo, que estabelece seu protocolo de privacidade e, por uma questão de transparência, o colocaram na Internet para todos o vejam.

O aplicativo de rastreamento de contatos contra a propagação da pandemia do Covid 19 age quando as pessoas na cidade se aproximam demais, seus smartphones se conectam, analisam o risco de infecção e avisam se necessário.

Autoridades do governo sugeriram que se um grande número de israelenses baixasse o aplicativo, o controverso monitoramento obrigatório do telefone pela agência de inteligência Shin Bet seria suspenso.

Com esse aplicativo, cada usuário envia um sinal Bluetooth especial a cada cinco minutos, que é gravado por qualquer outro usuário do HaMagen em até dois metros. O telefone mantém um registro dessas mensagens – sem nenhuma informação para identificar o usuário que as transmitiu.

Se o teste de um cidadão israelense for positivo para coronavírus, não haverá exigência legal de revelar que usa o aplicativo. Mas, se quiserem, podem pedir ao Ministério da Saúde um código para fazer o upload de todas as mensagens Bluetooth que transmitiram – sem informações para identificá-las – para o servidor do ministério.

Outros usuários do HaMagen não fazem upload de nenhum dado para o ministério, mas são constantemente atualizados sobre quais mensagens Bluetooth foram transmitidas por pacientes com coronavírus. Se as mensagens armazenadas em seu aplicativo corresponderem às transmitidas por alguém com teste positivo, seu telefone irá gerar um alerta.

Uma única mensagem correspondente não acionará um alerta porque o encontro teria sido muito curto para apresentar um risco significativo de infecção, mas se três mensagens consecutivas da mesma pessoa forem registradas, isso indica um encontro de 15 minutos e um alerta é gerado. “Se você estivesse ao lado de alguém com COVID, eles te contariam, mas não diriam ao governo. Trata-se de dar informações aos usuários para que optem pelo auto-isolamento e avisem ao governo o que estão fazendo, mas sem forçá-los”.

Ronen e Pinkas estavam convencidos de que mais pessoas agiriam nos alertas, optando por se isolar ao ter informações sobre o horário e local de exposição ao coronavírus. Mas eles estavam determinados a não dar ao governo acesso aos dados de GPS dos telefones dos usuários. “Os alertas vêm com a hora e a localização, pois os telefones dos usuários lembram a localização do GPS quando cada mensagem Bluetooth é recebida, mas eles não compartilham esses dados com mais ninguém”, disse Ronen. “Isso significa que, quando um alerta é gerado, seu telefone sabe onde ele estava e pode dizer a você, sem comprometer a privacidade.”

Pinkas disse que o novo aplicativo tem muito em jogo porque “as alternativas são muito piores”.

Uma alternativa é o monitoramento contínuo do Shin Bet em que, se o número de casos aumentar, pode acabar com um grande número de israelenses sendo colocados em quarentena devido à sua imprecisão, segundo Pinkas. Ele disse que a outra possibilidade é um aplicativo Bluetooth, mas que é obrigatório, permitindo ao governo, automaticamente, o acesso aos alertas.

“Isso daria início a um jogo de gato e rato, com as pessoas desligando os telefones ou colocando-os em recipientes de alumínio”, disse Pinkas. “Seria impossível e no final teriam que colocar pulseiras que não podem ser retiradas nas mãos de todos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *