O distanciamento dos judeus americanos de Israel

Por Deborah Srour Politis

A maior evidência do crescente distanciamento entre os judeus da América e Israel foi esta eleição presidencial de 2020.

Uma triste afirmação.

De acordo com certos relatórios sobre a eleição, cerca de 70% dos eleitores judeus americanos escolheram Joseph Biden. Essa proporção está em consonância com a eleição presidencial de 2016, quando 71% votaram em Hillary Clinton e apenas 24% em Donald Trump. Os judeus americanos também apoiaram Barack Obama em números semelhantes em 2008 e 2012.

Não é novidade que os judeus americanos continuam a escolher esmagadoramente o candidato democrata para presidente, bem como candidatos democratas para o Senado e a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos.

O que torna a demonstração de apoio desproporcional dos judeus ao Partido Democrata nesta eleição diferente das anteriores é como seu resultado provavelmente afetará o Estado de Israel em termos de segurança, sua busca contínua pela paz com seus vizinhos e sua posição no mundo. Do meio de seus lockdowns e preocupações com justiça social, o futuro de Israel foi tratado com total indiferença pelos judeus americanos nesta eleição.

Durante a campanha eleitoral, a equipe de Joe Biden anunciou sua intenção de reconstruir as relações com Mahmoud Abbas e a Autoridade Palestina. Hoje Kamala Harris prometeu reinstituir a ajuda americana aos palestinos. Isso inclui permitir que uma embaixada palestina de fato, a Missão da OLP, reabra em Washington, e a abertura de um consulado dos EUA separado para servir a população palestina na parte oriental de Jerusalém. No momento, a Unidade de Assuntos Palestinos opera discretamente no centro de Jerusalém, num prédio externo à Embaixada dos Estados Unidos. Significa também a retomada de milhões de dólares em doações à Autoridade Palestina por meio da USAID, bem como a renovação do milionário apoio financeiro americano para a notória UNWRA, a agência da ONU dedicada somente a refugiados palestinos, usada para recrutamento e treinamento de terroristas.

Essa retomada de laços e ajuda fortalecerá a mesma corriola corrupta e inútil que durante décadas impediu a paz, promoveu o terrorismo e relegou os árabes a uma vida de pobreza e privações, liderada pelo implacável octogenário Mahmoud Abbas.

Sob Biden, a responsabilidade pelo fim do conflito israelense-palestino recairá novamente sobre Israel. Mesmo um tijolo adicionado a uma casa judaica existente na Judéia ou Samaria ou mesmo em partes de Jerusalém trará a condenação sobre Israel como sendo um “obstáculo para a paz”.

A política de redux de Obama para o conflito israelense-palestino provavelmente encorajará facções terroristas dentro da Autoridade Palestina e na Faixa de Gaza. Isso terá seu preço em vidas humanas e ferimentos.

O governo Biden, sob pressão da ala “progressista” de esquerda do Partido Democrata, poderá até reconhecer um “Estado da Palestina” sem quaisquer concessões feitas pelos líderes palestinos.

Por mais retrógrado que isto seja, o que constitui uma ameaça maior, até mesmo existencial, ao Estado de Israel e ao Oriente Médio é o anúncio da equipe Biden de sua intenção de retornar a América, nas palavras do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, ao “mau” acordo nuclear com o Irã.

Para quem pode ter esquecido, o Plano de Ação Conjunto Global foi assinado em 14 de julho de 2015, entre o Irã e os cinco membros permanentes das Nações Unidas – China, França, Rússia, Reino Unido e Reino Unido Estados, além da Alemanha e da União Europeia. O Plano, no entanto, foi projetado apenas para adiar e dificultar, mas não para impedir o progresso dos aiatolás na aquisição de um arsenal nuclear. E, mesmo antes de o governo Trump desistir do acordo e instituir um conjunto forte e eficaz de sanções econômicas contra o Irã, a Agência Internacional de Energia Atômica havia relatado violações pelo Irã de seus compromissos. Os líderes do Irã retomaram as ameaças abertas e descaradas contra o Estado de Israel e falam de sua eliminação. Israel leva muito a serio essas ameaças.

Vamos ignorar que Donald Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel para a qual transferiu a Embaixada americana; que os cidadãos americanos nascidos em Jerusalém agora têm “Jerusalém, Israel” impresso em suas certidões de nascimento e passaportes; que a administração Trump reconheceu a legitimidade das comunidades judaicas na Judéia e Samaria e a anexação das Colinas de Golã, e vamos também ignorar o papel importante dos EUA nos acordos de normalização entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Sudão.

Se só ficarmos com a posição americana nas duas questões de segurança, os palestinos e o Irã, isso já seria razão suficiente para cerca de 70% dos israelenses favorecerem Donald Trump sobre Joe Biden em uma pesquisa do Instituto de Democracia de Israel realizada durante a primeira semana de novembro. Incrível que esses resultados são a imagem oposta dos eleitores judeus na América, para quem essas questões não desempenham nenhum papel em sua escolha para presidente.

E a explicação é simples. Como no mercado imobiliário, tudo se resume à “localização”. Os judeus da América não vivem em Israel. Eles vivem na América e, ao contrário de seus avós e bisavós, eles se sentem primeiro americanos. As questões que os interessam são questões americanas. Eles não sabem muito sobre a sociedade e a cultura israelense. Eles não falam hebraico. E pior. Com uma assimilação que os está levando rapidamente à beira da extinção, o judaísmo praticado pela maioria dos judeus americanos hoje é irreconhecível para muitos israelenses. A maioria dos judeus americanos nunca visitou Israel e não têm planos de visitar. Eles não sentem nenhum elo significativo com o estado judeu. Hoje Israel encontra muito mais simpatia e compreensão entre os evangélicos do que entre judeus americanos.

Infelizmente temos que reconhecer que a maioria da atual geração de judeus da América, ao contrário das gerações anteriores, não está particularmente interessada em Israel. E esta cisão só tende a se alargar com o tempo. Não é reversível por meio de programas educacionais, como demonstraram décadas e milhões de dólares desperdiçados. O que manteve os judeus – judeus – por dois mil anos foi sua teimosia em se manterem mais judeus, não menos. Mais ligados em suas tradições milenares e sua comunidade. É infeliz que a vida judaica na América irá desaparecer justo quando ela conseguiu tudo o que queria: aceitação, influência, afluência e igualdade.

Este distanciamento dos judeus americanos de hoje não deve causar ressentimento ou inimizade por Israel. Os israelenses devem ser gratos pelo significativo apoio financeiro, político e moral das gerações anteriores de judeus americanos. Mas devem modificar suas expectativas de acordo com a realidade atual. Assim, os israelenses precisam aprender a se relacionar com os judeus que vivem na América hoje, como eles preferem se ver: não como judeus, mas apenas como americanos.

Foto: Ted Eytan  (Creative Commons), via JewishWebsight

One thought on “O distanciamento dos judeus americanos de Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *