O “noivo libanês” chega a Israel

Um homem nascido no Líbano, que se viu no centro de um escândalo na comunidade judaica síria do Brooklyn no ano passado, está agora em Israel e declarou suas intenções de passar o resto de sua vida no país.

Em outubro de 2021, Eliya Hawila casou-se com uma jovem sírio-judia no Brooklyn, Nova York, em uma cerimônia judaica ortodoxa, apesar de ter sido criado em uma família muçulmana xiita no sul do Líbano.

Pouco tempo depois, a noiva de Hawila e sua família descobriram seu passado, com o casal se separando e a notícia do “noivo libanês” chocando na comunidade ortodoxa.

Hawila, mais tarde, se desculpou pela fraude, mas insistiu que é sincero em seu desejo de viver como um judeu ortodoxo e disse que espera se reconciliar com sua ex-esposa.

No início de abril de 2022, no entanto, um rabino do Brooklyn que investiga questões sobre ascendência judaica descobriu que Hawila na verdade nasceu judeu.

O rabino Avraham Reich conversou com a avó de Hawila e pôde verificar que sua linhagem materna é judia, o que, sob a lei judaica tradicional, faz de Hawila um judeu nato.

Mais tarde, Hawila passou por uma conversão ortodoxa le’chumra (como medida de precaução) para remover quaisquer dúvidas sobre sua condição de judeu, uma prática empregada quando as últimas quatro gerações dos ancestrais judeus mais recentes de uma pessoa não eram religiosamente observantes.

LEIA TAMBÉM

Pouco depois de sua história se tornar pública, Hawila declarou que esperava um dia se mudar para Israel, e se reunir com sua esposa lá.

Este mês, após a descoberta de sua ascendência judaica e a conclusão de sua conversão, Hawila, agora com 24 anos, chegou a Israel pela primeira vez.

Falando com o site Behadrei Haredim no Muro das Lamentações em Jerusalém, Hawila disse que planeja permanecer em Israel pelo resto de sua vida e ainda espera se reconciliar com sua esposa.

Quando perguntado como se sente em relação aos rumores de que poderia ser um agente de um poder hostil, Hawila respondeu dizendo: “Fui investigado pela segurança do aeroporto. Se houver algo contra mim, traga-o à tona, leve-me para a cadeia”.

“Israel é minha terra, minha pátria, meu país, embora eu ainda não tenha passaporte israelense”.

E como o Líbano se encaixa em sua identidade judaica?

“Já estive lá, faz parte da minha história, faz parte do que define quem eu sou. Além disso, não se esqueça, o Líbano faz parte da Eretz Yisrael Hashelima”, acrescentou Hawila, usando o termo hebraico para a Grande Terra de Israel. “Nunca esqueça isso”.

Hawila também discutiu a ascendência judaica de sua mãe, observando que enquanto a família de sua avó materna vinha de uma família sírio-judaica, um teste genético mostrou ligações estreitas com judeus asquenazes.

“Fiz os testes de DNA. Abri meu telefone e olhei para os testes de DNA, e tenho o haplogrupo HV5, que é um haplogrupo extremamente raro que apenas os descendentes de uma mulher judia Ashkenazi têm”.

A avó de Hawila, mais tarde, lhe disse que o nome de sua bisavó era Sarah Dwek.

“Ela era uma judia de Alepo”, disse Hawila, citando sua avó. “Durante o século XIX, ela fugiu com um muçulmano chamado Ali Morad, casou-se com ele no sul do Líbano e ele a converteu ao islamismo”.

Voltando-se para sua ex-esposa, Hawila reconheceu que “cometeu um grande erro” ao esconder de sua noiva sua família muçulmana, mas pediu a seus sogros que “abrissem seu coração para ver os fatos”.

Fonte: Israel National News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.