Orbach adia processo de dissolução da Knesset

Embora a Knesset tenha aprovado, na primeira das quatro votações necessárias, a dissolução voluntária do Parlamento, o deputado rebelde do Yamina, Nir Orbach interrompeu o processo, até segunda-feira, para dar tempo à oposição liderada pelo Likud para formar uma coalizão alternativa e evitar eleições antecipadas.

A Knesset exige que uma lei para ser dissolvida voluntariamente e, embora quarta-feira tenha sido o primeiro passo do projeto, ele precisa passar por duas revisões do comitê e três leituras adicionais para ser finalizado.

Sua próxima parada é o Comitê da Câmara da Knesset, que Orbach preside. Ao se recusar a convocar o comitê até segunda-feira, Orbach está atrasando o envio do projeto de lei para o primeiro processo de revisão do comitê, uma etapa necessária antes da próxima votação.

Assim que o Comitê da Câmara se reunir, na segunda-feira, espera-se que a coalizão envie o projeto de lei de dissolução ao Comitê de Constituição, Lei e Justiça, presidido pelo deputado Gilad Kariv, da coalizão mais favorável a um processo de revisão acelerado. O mais cedo que a dissolução da Knesset pode ser finalizada é na segunda-feira, mas pode se estender até o final da semana.

Na segunda-feira passada, o primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro do Exterior, Yair Lapid, anunciaram que dissolveriam o Knesset e enviariam Israel à sua quinta eleição em três anos e meio. Bennett e Lapid disseram que “esgotaram” os caminhos para estabilizar sua coalizão.

Orbach foi o último parlamentar a deixar a coalizão, dizendo em seu aviso de renúncia em 13 de junho que trabalharia para formar uma coalizão alternativa de direita dentro da atual Knesset.

Embora elementos da oposição e do partido Yamina, de Bennett, estejam trabalhando ativamente para criar imediatamente uma nova coalizão de direita, é improvável que eles consigam ter sucesso em reunir o número mínimo de 61 parlamentares necessário para trocar o governo sem novas eleições.

LEIA TAMBÉM

Na quarta-feira, a ministra do Interior e parceira política de Bennett há uma década, Ayelet Shaked, disse que estaria disposta a se juntar a uma coalizão liderada pelo Likud. Shaked, no entanto, não consegue aumentar imediatamente a contagem de parlamentares do bloco de oposição, que atualmente é de 55 assentos. Sob a chamada lei norueguesa da Knesset, Shaked deixou a legislatura ao assumir seu cargo ministerial. Ela poderia retornar à Knesset deixando o cargo de ministra do Interior, mas teria um período de espera de 48 horas.

Se Shaked e a oposição conseguirem reunir o apoio necessário para formar um novo governo nesta Knesset, a medida pode fazer sentido. Mas se a oposição não substituir o governo antes que a dissolução seja finalizada, Shaked perde a oportunidade de permanecer no comando do Ministério do Interior pelo período interino, até as eleições e a formação de um novo governo, que deve durar pelo menos até novembro.

Shaked e os demais membros do Yamina (com exceção de Bennet) podem contribuir com até 4 assentos para a oposição liderada por Netanyahu, e os próximos potenciais candidatos a preencher as lacunas restantes são os parlamentares do partido Nova Esperança de Gideon Sa’ar e do Azul e Branco, de Benny Gantz.

Mas na terça-feira, Gantz disse que Netanyahu quebrou sua confiança e disse que estava pedindo um amplo governo de unidade após as eleições.

“Netanyahu esgotou o crédito político que se pode dar a ele e, portanto, não há nada para falar”, disse Gantz, em resposta a repórteres que perguntavam sobre se juntar ao líder do Likud durante a atual Knesset ou após as eleições.

O Nova Esperança que estava em negociações com o Likud no início deste mês, mas supostamente encerrou o contato após o bloqueio bem-sucedido da oposição de um projeto de lei cuja aprovação é periodicamente exigida (para renovar a aplicação da lei aos residentes israelenses da região da Samaria e Judeia).

Foi relatado que Orbach recebeu a promessa de um lugar na lista do partido do Likud por sua rebelião contra a coalizão. Na segunda-feira, Lapid disse que é “ilegal” trocar uma vaga garantida em uma chapa partidária em troca de votos contra a coalizão, e que tal comportamento seria investigado. Na terça-feira, Netanyahu disse que tem várias vagas garantidas para distribuir e que “levará em conta” o fato de que legisladores como Orbach “permaneceram leais à ideologia”.

Supondo que a tentativa de formar um governo alternativo nesta Knesset falhe, as eleições devem ocorrer no final de outubro ou início de novembro, com 1º de novembro sendo a data provável.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

One thought on “Orbach adia processo de dissolução da Knesset

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.