Outros 150 etíopes chegam de aliá

Um voo com 150 imigrantes etíopes pousou no Aeroporto Internacional Ben-Gurion, em Israel para se reunir com suas famílias, como parte  na “Operação Tzur Israel” (“Rocha de Israel”).

A chegada do avião da Ethiopian Airways reuniu membros de famílias, alguns dos quais não se viam há duas décadas.

A “Operação Tzur Israel”, liderada pela Ministra de Absorção e Aliá de Israel, Pnina Tamano-Shata, foi projetada para ajudar a comunidade remanescente de judeus que vivem em campos de refugiados em Gondar e Adis Abeba a voltar para Israel. Até agora, mais de 5.000 pessoas que têm parentes de primeiro grau que já moram em Israel jpa chegaram ou devem chegar em um futuro próximo.

O voo foi possível graças a uma iniciativa conjunta da International Fellowship of Christians and Jews (IFCJ), do Ministério da Aliá e Integração de Israel e da Agência Judaica para Israel.

Acompanhando o grupo de volta a Israel, Yael Eckstein, presidente do IFCJ, disse que ajudar a trazer os últimos remanescentes dos judeus etíopes para Israel é uma parte central de seu mandato.

“É uma fonte de grande orgulho poder ajudar centenas de outros olim a voltar para casa”, disse ela. “A parte mais poderosa deste voo é saber que muitos desses passageiros estão esperando há décadas por esse momento, e vemos isso como um ideal sionista central poder tornar esses tipos de reuniões possíveis”.

LEIA TAMBÉM

“Muitos esperam há décadas por este momento. Nós vemos isso como um ideal sionista central para tornar as reuniões possíveis”, disse Yael Eckstein.

Tamano-Shata disse que “ser capaz de unir famílias que foram separadas por milhares de quilômetros nos permite finalmente resolver uma falha que afetou a comunidade etíope por muitos anos. Essas famílias esperam por esse momento há décadas. Por meio da parceria entre nossos ministérios, a Agência Judaica e a IFCJ, podemos testemunhar outro momento histórico na história de Israel, onde reafirmamos nosso compromisso de fazer tudo o que pudermos para trazer nossos irmãos e irmãs para casa”.

Com idades entre 6 e 50 anos, os novos imigrantes viverão primeiro em cinco centros de absorção em todo o país, onde receberão cursos de hebraico e outros treinamentos para ajudá-los a se adaptar à sociedade israelense e ingressar no mercado de trabalho.

“A Agência Judaica continuará a liderar os esforços de aliá de todos os lugares ao redor do mundo e para cada judeu que queira se mudar para Israel”, disse o presidente da Organização Sionista Mundial e presidente interino da Agência Judaica, Yaakov Hagoel. “Agradecemos profundamente o trabalho de todos os parceiros que tornaram isso possível e sabemos que a cada novo olê que volta para casa, nosso país se torna muito mais forte”.

Fonte: Jpost
Foto: האגודה הישראלית למען יהודי אתיופיה, CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)