Parientes…

Por Nelson Menda

y trapos viejos, mejor cuanto mas lejos! Traduzindo: “Parentes e trapos velhos, quanto mais distantes, melhor”. Era a inscrição, em espanhol, de um dos dois quadrinhos que minha mãe, em um momento de pouca inspiração, resolveu adquirir em uma viagem que fez ao Uruguai.

Além de ter trazido para nossa casa, em Porto Alegre, esses objetos de inegável mau gosto, decidiu pendurá-los em lugar de destaque da sala. Tia Luna, uma das irmãs do meu pai, como fazia rotineiramente, foi nos visitar e, ao deparar com as mensagens nada sutis dos referidos quadros, se sentiu, com toda a razão, imensamente ofendida e decidiu que não voltaria a pisar na nossa casa enquanto eles continuassem expostos. Ficamos sem receber sua visita durante muito tempo, o que representou uma pequena tragédia, pois Tia Luna era bastante espirituosa e portadora de uma alegria contagiante. Se não me falha a memória, essa pequena crise familiar durou alguns anos, sinal inequívoco de que os famigerados quadros devem ter permanecido por bastante tempo enfeitando ou, melhor dizendo, enfeiando uma das paredes da nossa sala.

Vou reproduzir a inscrição do segundo quadro, para que o leitor tire suas próprias conclusões: Parientes, muncha alegria nos dan… en el dia que se van! Estava tudo muito implícito e não seria preciso grandes explicações. Quem deve ter ficado em uma sinuca de bico deve ter sido meu pai, uma pessoa cordata que se relacionava muito bem com parentes, amigos, vizinhos, conhecidos e até mesmo desconhecidos. Tanto que chegou a criar uma categoria especial de novos amigos, a quem chamava de agregados, pessoas que acabavam ingressando no grupamento familiar por pura afinidade. Por sorte herdei essa característica, que consegui transmitir para minhas filhas.

Na realidade, eu pertencia a uma família, digamos assim, mista, pois o ramo paterno era de origem sefaradi ao passo que o materno provinha de judeus asquenazis. Para o leitor não familiarizado com a tradição judaica é importante frisar que os sefaradis provinham da Espanha e utilizavam o ladino como língua mãe, bastante parecido com o português. Expulsos da Espanha em 1492 e vivendo na Turquia até os anos trinta do século passado, continuaram utilizando o ladino tanto em suas residências quanto nas rezas e cânticos religiosos no interior das sinagogas.

Enquanto os sefaradis costumavam achar graça nos fatos e acontecimentos corriqueiros do dia-a-dia, os asquenzis, pelo menos no ramo da minha família, eram bem mais comedidos. Ao invés do ladino, rico em provérbios e com um fino senso de humor, os asquenazis, por outro lado, tinham no iídiche, derivado do alemão, seu idioma preferencial. Eram bem mais sérios e qualquer divergência de opinião no lado asquenazi da família era motivo para acaloradas e intermináveis discussões.

Meu pai, nascido em Lule Burgás, Turquia europeia, migrou com seus pais e cinco irmãos mais jovens para o Brasil assim que completou 16 anos. Tinha uma boa escolaridade e já dominava, além do turco, o ladino, o francês e o inglês. Ao chegar a Porto Alegre, onde já vivia o irmão mais velho de seu pai, ingressou na Faculdade de Ciências Contábeis, graduando-se também em Economia. Trabalhou arduamente até conseguir estabelecer o que era denominado, na época, “pé de meia”. Aos 28 anos, financeiramente independente e ainda solteiro, se encantou com minha mãe, de família asquenazi proveniente da Moldávia.

Diversas pessoas profetizaram que aquele casamento teria tudo para dar errado, a começar pelos hábitos alimentares distintos. Os sefaradis, especialmente os de origem turca, como nossa família, curtiam pratos completamente distintos dos da culinária asquenazi. Eram aficionados pelo arroz preparado com tomates, o que lhe conferia, além do sabor, uma discreta coloração avermelhada. Eram adeptos das borrecas, pasteizinhos em forma de meia-lua, crocantes, recheados com queijo parmesão e salpicados com sementes de gergelim. Sem falar nas tortas de espinafre, tapadas, fritadas, guevos haminados e uma série de outros pratos de requintado sabor. Ao passo que os asquenazis tinham no arenque e no gefilte-fish seus pratos de resistência, esses últimos nas variedades russa e polonesa.

Eu, particularmente, como bom glutão, navegava por ambas culinárias sem nenhum tipo de preconceito, assim como o brasileiríssimo feijão com arroz, bifes e batatas fritas, além das macarronadas, kibes e tantos outros quitutes das diferentes etnias que compõem o mosaico gastronômico brasileiro. Só não consegui apreciar o borscht, uma espécie de suco de beterraba adocicado que encanta muitos asquenazis assim como uma carne temperada com açúcar que faz a delícia das mesas polonesas.

Voltando ao casamento dos meus pais, existiam maus presságios a respeito das diferenças gastronômicas e comportamentais entre sefaradis e asquenazis. Minha avó paterna, exímia cozinheira que só confiava no seu tradicional forno a carvão, estava preparada para transmitir os segredos guardados a sete chaves das culinárias espanhola e turca para uma filha, mas não para uma nora. Antes que a tempestade desabasse, o que seria inteiramente previsível, formou-se um cordão secreto de solidariedade, com a participação decisiva de Dona Zimbul, esposa do Sr. Alexandre Barmaimon, sefaradi turco proveniente do Uruguai que compartilhava, com sua família, a mesma casa de altos e baixos da Rua Fernando Machado onde também residiam os Menda.

Assim, na maior discrição possível, minha mãe foi apresentada para os mais refinados quitutes da culinária sefaradi, preparados pelas mãos habilidosas de Dona Zimbul, o que representou a salvação do casamento. Além de uma grande variedade de pratos salgados, a dona da casa sempre dispunha, para oferecer às visitas, o delicioso Dulce Blanco, de consistência rígida e delicado sabor. Era preparado com uma calda adocicada em que as nozes conferiam um toque todo especial. Dona Zimbul guardava essa preciosidade em uma arca na sala de visitas, oferecida como sobremesa e, para os mais velhos, xícaras de fumegante café turco. Felizmente a tática funcionou, pois se não tivesse dado certo certamente eu e minhas irmãs não teríamos vindo ao mundo, pois não há santo que resista a um borscht ou uma enganosa carne adocicada.

E os tais quadrinhos ofensivos, que fim tiveram? Provavelmente, foram parar no lixo. A paz voltou a reinar, minha querida Tia Luna passou a frequentar nossa casa e a família se prepara para comemorar seu aniversário de cem anos, em 2023. Vai ser a primeira pessoa do nosso círculo familiar a completar um século de vida. Cercada pelos filhos, netos, sobrinhos-netos e uma legião de amigos Tia Luna conseguiu forjar, com sua irradiante simpatia e permanente bom humor, um seleto grupo de admiradores. Que viva, como assegura a tradição judaica, até os 120 anos…

One thought on “Parientes…

  • 30 de junho de 2022 em 17:19
    Permalink

    Excelente crônica, Nelson. A diferença entre asquenazis e sefaradis iam, realmente, muito além da culinária. Abraços fortes.

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: