Pré-julgamento de Netanyahu acontece hoje

A audiência de pré-julgamento do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, acontece hoje, após vários atrasos devido à pandemia.

Netanyahu, que nega veementemente todas as alegações de irregularidades, foi indiciado em novembro de 2019 e enfrenta acusações de corrupção, fraude e quebra da confiança pública em três casos.

Netanyahu é suspeito de ter recebido irregularmente o equivalente a 264 mil dólares em presentes de magnatas, o que procuradores disseram incluir charutos e champanhe, e de fazer favores em supostos acordos para obter mais cobertura do jornal israelense de maior circulação, o Yediot Ahronot, e do site Walla.

No processo em que o primeiro-ministro é acusado de suborno, fraude e quebra de confiança, os advogados de Netanyahu alegarão que ele não interveio de nenhuma maneira particular no site Walla.

LEIA TAMBÉM

Em resposta à acusação no caso de recebimento de presentes, os advogados alegarão que Netanyahu não exigiu presentes de seu amigo Arnon Milchen, e não sabia nada sobre o champanhe dado a sua esposa.

Além disso, os advogados de Netanyahu solicitarão que a próxima audiência legal ocorra após a eleição, enquanto o Ministério Público solicitará que ela seja realizada o mais rápido possível.

Os outros réus também comparecerão à audiência de hoje – o editor do Yediot Ahronot, Noni Mozes, e os ex-proprietários do Walla, Shaul Alovich e sua esposa Iris.

No julgamento será mantido distanciamento social devido ao Corona. Para as audiências, duas salas foram conectadas a uma grande sala. Durante a audiência,o tecinto terá 27 pessoas, incluindo Netanyahu e os demais réus, seus advogados, representantes do Ministério Público e dois representantes da mídia. Os demais presentes verão a discussão em circuito fechado em outra sala.

O primeiro-ministro mais longevo de Israel, no poder continuamente desde 2009, após já ter liderado o país nos anos 1990, pode passar 10 anos na prisão se for condenado por suborno e cumprir uma pena máxima de 3 anos por violação de confiança e fraude.

Foto: DonkeyHotey (Wikimedia Commons)