“Precisamos considerar tornar as vacinas obrigatórias”

Salman Zarka, responsável pelo gabinete do coronavírus disse nesta quarta-feira que Israel deveria ponderar a introdução da obrigatoriedade de vacinação de todos os cidadãos contra o coronavírus, como é a legislação em  vários países europeus.

“Acho que precisamos examinar todas as opções, incluindo a opção de obrigar a vacinação no Estado de Israel”, disse Zarka à Rádio 103FM em uma entrevista.

Zarka frisou que a opinião é só dele e não do Ministério da Saúde.

“Esta opção de mandatar uma vacina no Estado de Israel, semelhante a vários países do mundo, seja no contexto da legislação ou no contexto de outros meios, deve ser examinada, deve ser considerada”, disse ele.

Ele disse que uma abordagem relaxada para a inoculação em Israel ameaçava o sucesso contínuo da rápida campanha de vacinação introduzida no início deste ano.

“A abordagem em Israel, ao contrário de alguns países no mundo, é mais inclusiva, dá mais tempo para permitir que as pessoas tomem suas decisões. Isso tem um preço ”, disse ele.

“Há 680.000 pessoas em Israel que não foram vacinadas. Estamos constantemente tentando alcançá-los ”, disse Zarka. “olhando o que aconteceu conosco na quarta onda de epidemia, que atingiu os não vacinados mais do que outros, é preciso considerar como essas pessoas serão vacinadas.”

Mesmo assim, ele enfatizou que não haveria nenhuma legislação “surpresa” forçando a vacinação.

“Não estou familiarizado com nenhum trabalho jurídico sobre o assunto. Não há processo legislativo ou trabalho legislativo em cima da mesa. Não estamos no nível prático de que hoje uma lei vai ser introduzida repentinamente para exigir vacinas ”, disse ele.

No entanto, o ministro da Habitação, Ze’ev Elkin, disse à Rádio do Exército que acredita que os mandatos de vacinas são reservados às ditaduras.

“Não creio que exista um estado que aja assim, exceto nos estados ditatoriais”, disse ele. “É possível encorajar a vacinação ou dar incentivo negativo aos não vacinados, mas não obrigar por lei.”

Até agora, o Vaticano sozinho impôs um mandato completo de vacinação, mas parece que será acompanhado por várias outras nações europeias.

No mês passado, a Áustria anunciou que tornaria a vacinação contra o coronavírus obrigatória a partir de fevereiro. O país já havia imposto restrições à movimentação de não vacinados ou recentemente recuperados do vírus, tornando-se, no início de novembro, o primeiro país da UE a mandar ficar em casa.

A Grécia anunciou injeções obrigatórias para maiores de 60 anos, com pessoas não vacinadas enfrentando multas se não obedecerem.

E o próximo chanceler da Alemanha disse na terça-feira que apoiará uma proposta para obrigar a vacinação contra o coronavírus para todos no próximo ano.

Em Israel, na terça-feira, dias depois de pedir vacinas obrigatórias para combater a pandemia, o deputado Yuval Steinitz solicitou que a Knesset investigasse ameaças violentas de ativistas antivacinas contra ele. Steinitz, um ex-ministro da Energia que está na oposição ao partido Likud, expressou apoio às vacinações obrigatórias, apoiadas por multas para aqueles que se recusarem, em entrevistas à mídia no início desta semana.

De uma população de 9,4 milhões, 5,7 milhões de israelenses receberam duas doses da vacina e 4 milhões receberam uma terceira dose de reforço, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Olivier Fitoussi (Flash90)