Preço da eletricidade aumenta 8,6% em agosto

A companhia israelense de energia elétrica (IEC) disse, na quarta-feira, que aceitou um aumento de preço um pouco mais moderado em agosto, 8,6% em vez dos 9,6% anunciados pela Autoridade de Eletricidade no início deste mês,  em um acordo que lhe permitirá expandir o uso do gás natural na geração de energia.

A IEC disse que o aumento entraria em vigor em agosto. Em troca, o Ministério da Proteção Ambiental aprovará o uso adicional de gás natural na usina de Eshkol. O acordo também inclui um compromisso da IEC de se esforçar para reduzir o uso de carvão em outras usinas, disse a empresa em comunicado.

Israel tem reservas significativas de gás natural, mas o Ministério da Proteção Ambiental pressionou para que os combustíveis fósseis fossem eliminados em favor de fontes de energia renovável, principalmente solar. Embora mais limpas que o carvão, as usinas a gás geralmente estão localizadas em áreas mais populosas e ainda poluem.

Os preços da energia dispararam em todo o mundo, em parte como resultado da guerra em curso da Rússia contra a Ucrânia. A Rússia é um dos principais exportadores de energia do mundo.

No início deste mês, a Autoridade de Eletricidade de Israel, o regulador nacional, disse que um aumento no preço da eletricidade era necessário, já que cerca de 23% da produção de energia de Israel continua dependente do carvão.

A autoridade atribuiu o aumento dos preços à crise energética global, que começou em 2021 e foi agravada pela guerra na Ucrânia, incluindo um aumento drástico no custo dos hidrocarbonetos necessários para usinas de energia, embora Israel agora extraia seu próprio gás natural para exportação.

LEIA TAMBÉM

Em fevereiro, os preços da eletricidade subiram 5,7%.

A Associação de Fabricantes de Israel comemorou na quarta-feira a notícia do aumento de 8,6% nos preços da eletricidade, dizendo estar “feliz que a campanha que fizemos para reduzir o aumento das tarifas de eletricidade tenha valido a pena”.

Embora o avanço seja um “passo na direção certa”, a associação pediu uma redução ainda maior no aumento de preços, alertando que o próximo salto prejudicará aqueles que mais enfrentam a insegurança financeira, bem como as pequenas e médias empresas.

A associação sugeriu que o aumento de preços poderia ser mantido em 4,6% para famílias e 5% para empresas.

Embora a inflação em Israel tenha sido mais modesta do que em outros países do mundo desenvolvido, houve saltos acentuados no custo de vida, de alimentos a materiais de construção. O país também está lutando para conter a escalada dos preços dos imóveis.

No mês passado, o preço do combustível disparou para NIS 8 por litro, depois de flutuar abaixo deste valor nos últimos meses.

O preço dos produtos lácteos controlados pelo governo subiu 4,9% há duas semanas, e o ovo com preço controlado subiu 6,5% na sexta-feira, pela primeira vez desde janeiro de 2019.

Um aumento previsto nos preços do pão acabou sendo negociado para ser mais modesto, com o preço de um pão básico subindo 5%.

Fonte: Noticias de Israel
Foto: Canva