Israelenses desistem de produtos por causa do preço

A Paamonim, uma organização sem fins lucrativos que opera em Israel ajudando famílias em dificuldades financeiras para que possam recuperar sua independência econômica, publicou uma pesquisa segundo a qual um terço dos israelenses não consegue economizar.

Um quinto da população israelense se absteve de consumir algum produto, como medicamentos ou alimentos básicos, pelo menos uma vez no ano passado devido a uma situação econômica difícil. Isso emergiu da pesquisa publicada esta semana pela Paamonim, realizada por uma empresa de geocartografia em 709 residências em Israel.

34% das pessoas de baixa renda disseram que evitam consumir bens básicos de consumo, em comparação com 5% das pessoas de alta renda. 4% testemunharam que não têm controle sobre sua situação financeira atual.

70% relataram que teriam dificuldade em atender uma despesa excepcional no nível de sua renda atual. Em caso de perda do sustento, 22% disseram que poderiam cobrir suas despesas por apenas um mês e 35% responderam que não economizam nada.

Um em cada oito israelenses esteve em situação negativa crônica ao longo do ano passado, e quase metade dos entrevistados esteve em situação negativa pelo menos uma vez no ano passado. 28,8% relataram despesas maiores que as receitas.

A situação da população árabe é três vezes pior do que a da população em geral: 42% do público árabe afirmou que se absteve de consumir bens de consumo básicos em comparação com 17% entre o público judeu.

LEIA TAMBÉM

A população árabe também sente mais ansiedade econômica do que a população em geral: 49% dos lares árabes testemunharam que a situação econômica afeta negativamente as relações familiares, quase o dobro do número levantado por todos os entrevistados.

Além disso, 15% dos entrevistados árabes responderam que não têm controle sobre sua situação econômica, mais de três vezes no público em geral.

A pesquisa é baseada em seis componentes, incluindo a capacidade da família de absorver choques, equilíbrio entre despesas e receitas e o não consumo de alimentos e medicamentos essenciais. A pontuação média do público israelense no índice de resiliência é 66.

No ano passado, 5.024 famílias foram acompanhadas por milhares de voluntários da organização. 73% das famílias afirmaram após o atendimento que melhoraram o equilíbrio despesas-receitas, 84% indicaram uma melhora na sensação de segurança na capacidade autônoma e 89% na gestão orçamentária.

“De acordo com os dados da pesquisa”, diz Zvika Goldberg, CEO da Paamonim, “não apenas a pobreza é possível na sociedade israelense, mas a pobreza também leva à baixa alfabetização financeira. Em outras palavras, aqueles que mais precisam das ferramentas para provocar uma mudança em sua situação são aqueles que não têm as ferramentas à sua disposição”.

Fonte: Davar
Foto: Canva