EUA financiam projetos que denunciem Israel

O Departamento de Estado dos EUA ofereceu um financiamento de até US$ 987.654 para projetos que incluem a exposição de violações de direitos humanos por parte de Israel, levantando preocupações sobre o potencial de abuso por parte de organizações que buscam boicotes, sanções e tribunais internacionais contra Israel.

O Escritório para Democracia, Direitos Humanos e Trabalho (DRL) anunciou “uma competição aberta para projetos que fortaleçam a responsabilidade e os direitos humanos em Israel , Cisjordânia e Gaza”, no mês passado, e acredita-se que seja o primeiro desse tipo em Washington, informou o The Jerusalem Post.

As propostas destinam-se a “recolher, arquivar e manter a documentação dos direitos humanos para apoiar os esforços de justiça e responsabilização e defesa liderados pela sociedade civil, que podem incluir documentação de violações do setor jurídico ou de segurança e violações dos direitos humanos, de habitação, terra e propriedade”.

Os projetos também podem “dar passos significativos na busca da verdade, prestação de contas e/ou fornecer apoio psicossocial a sobreviventes de atrocidades”.

O DRL favorecerá projetos liderados por organizações locais com capacidade comprovada de implementar programas em Israel, Cisjordânia e Gaza.

As regras do concurso afirmam que as inscrições não podem “conter qualquer forma de endosso de qualquer membro, afiliado ou representante de uma organização classificada como terrorista”. Tampouco serão considerados projetos que beneficiem diretamente grupos militares ou paramilitares estrangeiros.

LEIA TAMBÉM

Os candidatos devem passar por uma triagem de antecedentes para avaliar o risco de os fundos irem para terroristas ou seus apoiadores, diz o site do Departamento de Estado.

O professor Gerald Steinberg, diretor do NGO Monitor, que rastreia o financiamento de ONGs que lidam com questões relacionadas a Israel, disse que nunca viu tal anúncio de financiamento dos EUA.

O financiamento dos EUA “geralmente não foi para essas ONGs mais políticas sob títulos de direitos humanos”, disse ele.

Steinberg escreveu uma carta ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, dizendo que os projetos de ONGs do tipo descrito “são explorados para campanhas visando Israel. Esses beneficiários pressionam o Tribunal Penal Internacional e os quadros da ONU, como as Comissões de Inquérito tendenciosas, para sancionar Israel, promover o BDS e usar o rótulo de ‘apartheid’”.

O governo Biden se opôs à investigação do Tribunal Penal Internacional sobre Israel, ao uso do termo “apartheid” para descrever Israel e à Comissão de Inquérito da ONU contra Israel.

“À luz da repetida rejeição de tais campanhas pelo governo Biden, pedimos ao Departamento de Estado que reconsidere esse programa”, escreveu Steinberg . “No entanto, se o NOFO (aviso de oportunidade de financiamento) prosseguir, a aplicação de salvaguardas claras e rigorosas será necessária para garantir que os fundos dos contribuintes não sejam repassados a organizações que promovam uma agenda discriminatória contra Israel sob o pretexto de responsabilidade e direitos humanos”.

De acordo com Steinberg , “a linguagem do NOFO reflete o que os governos europeus usam para justificar o financiamento de organizações como Al Haq e Breaking the Silence”, organizações palestinas e israelenses de direitos humanos, respectivamente, que defenderam boicotes a Israel, e que autoridades israelenses sejam julgadas por crimes de guerra.

“É difícil ver qualquer outra explicação para esse tipo de subsídio”, disse ele.

Essas organizações de direitos humanos direcionadas a Israel são “uma indústria da ordem de pelo menos US$ 50 milhões para grupos israelenses e palestinos de governos europeus, além de serem apoiadas pela ONU. É ainda mais se você incluir a Human Rights Watch e a Anistia”, que acusam Israel de ser um estado de apartheid, “e esse financiamento poderia, em teoria, ir para eles”, disse Steinberg.

Blinken se reuniu recentemente com o diretor executivo da Human Rights Watch, Kenneth Roth, e a secretária-geral da Anistia, Agnes Callamard, postando apenas um breve tweet dizendo: “Apoiamos o importante trabalho dos defensores dos direitos humanos”.

Fonte: The Jerusalem Post

2 thoughts on “EUA financiam projetos que denunciem Israel

  • 25 de março de 2022 em 11:56
    Permalink

    É inacreditavel, por mais que Israel faca, se.pre tem uns desgracados que o acusam injustamente de torturar e descriminar.Fico chocada..e ainda mais sendo apoiado com dinheiro americano, amigo de Israel? Como provar que isto é uma calunia,?

  • Pingback: Cúpula diplomática histórica, em Israel - Revista Bras.il

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: