Professores exigem vacina para não entrar em greve

O Comitê de Educação do Knesset aprovou uma mudança nos regulamentos do lockdown, que permitiriam que alunos de todas as idades continuassem a ter aulas presenciais.

Mas antes que os pais pudessem respirar aliviados, o Sindicato dos Professores declarou que a categoria pode entrar em greve se todo o corpo docente não for vacinado imediatamente.

Yaffa Ben-David, secretária-geral do Sindicato dos Professores, disse: “Se não houver vacinas, não haverá estudos – não concordaremos em arriscar a saúde do corpo docente”.

Os professores ainda não foram vacinados contra o coronavírus. O Sindicato dos Professores poderá suspender os estudos até que essa disputa seja resolvida – as partes têm até 12 de janeiro para se resolver – incluindo o programa de ensino a distância e o ensino online.

LEIA TAMBÉM

Ben-David disse: “Não é possível que os professores se sacrifiquem enquanto todos os cidadãos israelenses estiverem em quarentena e o Estado não cuide da proteção de sua saúde. Não há razão para não vacinar os professores”.

Ben-David acrescentou que mesmo de acordo com o Ministério da Saúde, o corpo docente está em alto risco. “Há poucos dias, o Ministério da Saúde publicou um relatório segundo o qual os professores correm um alto risco de infecção, a uma taxa de 50 por cento, em relação à população em geral.”

Ben-David disse que o sindicato dos professores não hesitaria em dar novos passos. “Se o problema não for resolvido, não hesitaremos e tomaremos medidas organizacionais – incluindo sanções e uma greve.”

A questão do fechamento de escolas é talvez a mais polêmica na atual proposta de bloqueio.

Originalmente, a proposta era que as pré-escolas e as séries 1ª a 4ª e 11ª a 12ª permanecessem abertas, mas estudassem apenas das 8h à 13h, enquanto as crianças de outras séries ficariam em casa. A justificativa é que não há motivo para manter as crianças pequenas em casa, já que seu índice de infecção é extremamente baixo, enquanto os que estão nos últimos dois anos do ensino médio precisam se preparar para os exames de admissão.

Quinta-feira à tarde, depois de muitos protestos por parte de pais, das autoridades municipais e dos especialistas médicos, o governo mudou de ideia e decidiu que as escolas poderiam funcionar em horário normal. No novo plano, pré-escolas e jardins de infância funcionarão normalmente, assim como as séries mais novas. Os alunos do ensino médio serão divididos em cápsulas e poderão interagir com até três cápsulas; os professores poderão instruir até quatro cápsulas.

A chefe do Conselho Regional de Gezer, Rotem Yadlin, pediu, na reunião do Comitê de Educação no domingo, que todo o sistema educacional permanecesse aberto, dizendo: “Esta crise de saúde não é apenas do corona, é a crise mental que afeta meninas e meninos em todo o país. E alguém precisa entender o tamanho do dano que permanecerá conosco mesmo depois que o corona desaparecer”

“Os alunos da nona série estiveram na escola seis dias desde o segundo fechamento”, disse ela. “Eles ficam sozinhos em casa a maior parte do dia, na frente do computador, e vemos um aumento dramático nos suicídios, obesidade, vícios e depressão entre os adolescentes.

Foto: Olivier Fitoussi (Flash90)

2 thoughts on “Professores exigem vacina para não entrar em greve

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *