IsraelNotícias

Protestos pedem acordo por reféns e renúncia do governo

Milhares de manifestantes realizaram protestos em Tel Aviv, Cesareia e Jerusalém, no sábado à noite, para pressionar o governo a fazer mais para libertar imediatamente os reféns detidos em Gaza por terroristas palestinos desde o ataque de 7 de outubro.

As manifestações, organizadas pelo Fórum de Reféns e Famílias de Desaparecidos, contaram com oradores que exigiram o fim dos combates em Gaza e um acordo com o Hamas para o regresso dos reféns. O Hamas exigiu um cessar-fogo como uma das várias pré-condições para qualquer acordo, segundo a mídia.

Comícios antigovernamentais também foram realizados em Tel Aviv e Jerusalém, pedindo a renúncia do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O rapper judeu-americano Matisyahu deu início ao comício principal na praça dos Reféns, em Tel Aviv, dizendo à multidão, “vocês terão minha voz, e tudo o que penso é no retorno dos reféns”.

O artista cantou uma música sobre o antissemitismo com múltiplas alusões ao Holocausto.

A manifestação em Tel Aviv transmitiu o protesto que ocorria, na mesma hora, em frente à residência de Netanyahu em Cesareia, onde as pessoas gritavam em megafones, “acordo, agora!”.

LEIA TAMBÉM

Shira Albag, cuja filha Liri, de 18 anos, é mantida refém em Gaza, disse à multidão de Tel Aviv que a vida parece a morte para ela. Os pensamentos sobre sua filha “nunca a abandonam”, disse ela. “Acordo viva e vou dormir me sentindo morta”.

Ela observou que há duas semanas surgiram imagens de Liri e outras três jovens em cativeiro. “Demorei um pouco para reconhecê-la, para entender que aquela garota de moletom azul é minha filha”, disse Shira.

“Se estou passando por dificuldades, quão difícil está para ela? Ela grita por mim, posso ouvi-la pedindo socorro, sem ninguém para protegê-la e abraçá-la. Mas há quem possa salvá-la e nós podemos fazer com que isso aconteça”, disse Albag, referindo-se ao governo e à pressão para que este chegue a um acordo para a libertação dos reféns.

Chen Goldstein-Almog, que foi sequestrada em 7 de outubro, no Kibutz Kfar Aza, e foi devolvida com seus filhos durante um cessar-fogo de uma semana e troca de prisioneiros no final de novembro, falou sobre a situação das mulheres em cativeiro.

Elas estão “feridas emocional e fisicamente”, disse Goldstein-Almog. “Continuo me perguntando se estamos fazendo o suficiente para trazê-las de volta”, acrescentou ela. Acredita-se que o Hamas ainda mantenha 14 mulheres como reféns. O marido e a filha mais velha de Goldstein-Almog, Yam, de 20 anos, foram assassinados em 7 de outubro.

Hagit Pe’er, presidente da organização feminina Na’amat, apelou a um acordo com o Hamas e condenou os grupos internacionais de mulheres por não se manifestarem contra os atos de violação e violência sexual contra as mulheres cometidos por terroristas do Hamas em 7 de outubro, e possivelmente depois.

Em uma mensagem filmada mostrada à multidão, a política norte-americana Debbie Wasserman Schultz, representante do 25º distrito congressional da Florida, disse às famílias dos reféns que estava rezando e trabalhando pela sua libertação.

“Estou orando pela libertação de seus entes queridos. Saiba que a América está com vocês. Estou trabalhando no Congresso, no país e no exterior, para fazer tudo o que puder para trazê-los para casa agora”, disse ela.

“E às mulheres que foram submetidas a uma violação inimaginável: estou com vocês, acredito em vocês, e lutarei por vocês”, disse Schultz, uma judia democrata. “Am Israel Chai”, acrescentou ela, que em hebraico significa “o povo de Israel vive”.

Avi Lulu Shamriz, pai de Alon Shamriz, um refém morto por engano pelas tropas israelenses em dezembro, disse à AFP em Tel Aviv que o gabinete de guerra de Netanyahu estava caminhando para o desastre. “Do jeito que estamos indo, todos os reféns vão morrer. Ainda não é tarde para libertá-los”, disse ele.

Outra manifestante, Yael Niv, disse que Israel precisava desesperadamente de um novo governo para corrigir o rumo do país. “A eliminação do Hamas não vai acontecer através da guerra e da escalada da violência”, argumentou ela.

Mensagens semelhantes foram o foco central de uma manifestação antigovernamental anterior, na Praça Habima, em Tel Aviv.

Antes que qualquer orador subisse ao palco naquele protesto, uma paródia de “O som do silêncio”, de Simon e Garfunkel, pedindo a renúncia do atual governo de Israel, foi exibida no telão voltado para a multidão.

A primeira oradora da manifestação, Shirel Hogeg, disse ao público que eles “são a geração da vitória” e que Netanyahu “está fazendo política com remédios para os reféns”, aludindo a relatos de que ele escondeu os detalhes do acordo mediado pelo Catar para entregar medicamentos para reféns em Gaza do Ministro da Defesa Gallant.

Yifat Calderon, prima de Ofer Calderon, uma das 136 pessoas ainda detidas em Gaza, apelou ao governo para “parar os combates” e “pagar o preço” pelos reféns, o que provavelmente incluiria a libertação de dezenas de condenados palestinos por terrorismo.

“Agora é a hora de usar todo o nosso poder para salvar os civis que estão passando pelo inferno, e é apenas por acaso que eles não são vocês”, disse ela à multidão, e foi recebida com gritos pedindo novas eleições.

No comício em Cesareia, Mor Shoham, cujo irmão Tal é mantido como refém, disse à multidão que “136 caixões não são uma imagem de vitória”.

“Enquanto estamos aqui, as mulheres estão sendo abusadas, todos os reféns estão sem comida e sem luz do dia. Quero perguntar ao gabinete de guerra: o que vocês estão esperando? Exigimos conhecer o seu plano”, disse Shoham.

Centenas de pessoas participaram de diversos protestos em Cesareia, durante todo o dia, exigindo que o primeiro-ministro os encontrasse e lendo os nomes de todos os reféns.

Eli Shtivi, cujo filho Idan é refém, anunciou que estava iniciando uma greve de fome até o retorno do filho.

Na manifestação em Jerusalém, centenas de pessoas marcharam até à Praça Paris, perto da residência oficial do primeiro-ministro, gritando, “uma imagem de vitória é o último refém”.

Outra manifestação antigovernamental também foi realizada na capital, em frente à Residência do Presidente, organizada pelo grupo Salvaguardando Nossa Casa Compartilhada, onde oradores e participantes exigiram novas eleições.

O grupo, que organizava os protestos semanais pela reforma antijudicial do ano passado, vem pedindo novas eleições há várias semanas.

Fonte: revista Bras.il a partir de The Times of Israel
Foto (ilustrativa): Lizzy Shaanan (PikiWiki)

2 thoughts on “Protestos pedem acordo por reféns e renúncia do governo

  • Julinho Aisen

    É perfeitamente compreensível a dor e desespero que os familiares e amigos dos reféns estão passando e sentindo. Por outro lado, lamentavelmente, estas manifestações só enfraquecem o governo e faz o jogo do Hamas, desestimulando os nossos Heróis da FDI. Deixemos para mudar o governo pra depois da vitória sobre estes terroristas. Evitemos de permitir que estes f.d.p. vençam a guerra no final!

    Resposta
    • Leandro Nogueira Salgado Filho

      Concordo inteiramente!

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo