Cerimônias em todo o país marcam o Yom Hazikaron

Os eventos do Dia da Lembrança dos Soldados Mortos de Israel e das Vítimas do Terrorismo começarão nos cemitérios, hoje pela manhã, onde as famílias se reunirão em memória de seus entes queridos. Às 11h, uma sirene de dois minutos soará e Israel parará em memória dos caídos.

Ao contrário do ano passado, quando Israel celebrou o Dia da Memória sob estritas restrições corona, este ano as famílias enlutadas terão permissão para visitar os cemitérios militares em todo o país. A entrada será permitida para o núcleo familiar, mas a diretriz será moderadamente aplicada para que a entrada de outros parentes dos mortos não seja impedida.

Às 8h30, será realizada uma cerimônia de leitura dos nomes das vítimas das operações militares israelenses no Salão Nacional do Memorial para os Caídos de Israel, no Monte Herzl, sem presença de público, com a participação do ministro da Defesa Benny Gantz.

Às 11h, uma sirene de dois minutos soará, seguida pelo início da cerimônia oficial para as vítimas das operações militares israelenses no Salão do Memorial, na presença do presidente Reuven Rivlin e do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Imediatamente após a sirene, um voo especial de aviões de combate passará sobre o Memorial. Ao mesmo tempo, os serviços fúnebres oficiais serão realizados em 52 cemitérios militares em todo o país.

LEIA TAMBÉM

Às 13h, um serviço memorial será realizado para as vítimas dos atentados no Monte Herzl. Todas as cerimônias serão transmitidas em diversos canais de mídia.

De acordo com o Ministério da Defesa, de 1860 a 9 de abril de 2021, 23.928 vítimas caíram. Desde o Yom Hazikaron do ano passado, 43 novas vítimas foram adicionadas, além de outras 69 pessoas com deficiência que morreram e cuja morte ocorreu por motivos relacionados à deficiência e foram reconhecidas como vítimas das operações de guerra israelenses. De acordo com o Instituto Nacional de Seguros, 4.176 israelenses foram mortos em atentados durante todo esse período.

Diferentemente do ano passado, todas as cerimônias e eventos memoriais serão realizados este ano de acordo com as diretrizes do Ministério da Saúde e de acordo com as regras do passaporte verde.

Outra cerimônia será realizada em memória dos judeus mortos em ataques terroristas e antissemitismo ao redor do mundo na praça da Agência Judaica em Jerusalém. Este ano, a cerimónia assinala o 60º aniversário do naufrágio do navio “Egoz”, no qual morreram dezenas de imigrantes marroquinos e o oficial do Mossad que os acompanhava a caminho de Israel.

O presidente da Agência Judaica, Yitzhak Herzog, e o presidente da organização das famílias das vítimas, Gila Gutman Azulai, que perdeu a maior parte de sua família no desastre, acenderão a chama em memória daqueles que morreram nas batalhas israelenses e nos atentados em Israel e em todo o mundo.

Durante o dia, mais de 5.000 jovens estarão em cerca de 130 cemitérios e distribuirão buquês para as famílias enlutadas. Esta é a 40ª participação consecutiva que dos jovens.

Fonte: Ynet

Foto: https://www.flickr.com/people/45644610@N03, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons