Relíquias saqueadas encontradas em Jerusalém

Itens raros e decorados de osso e marfim do período bíblico e tigelas antigas datadas de cerca de 1.500 anos, com feitiços e encantamentos em hebraico, foram descobertos na casa de um morador do bairro de Ramat Shlomo, em Jerusalém, suspeito de comércio ilegal de antiguidades.

Centenas de moedas antigas, artigos de vidro e armas também foram descobertos em uma busca conjunta da Unidade de Prevenção de Roubos da Autoridade de Antiguidades com a polícia de Lev HaBira.

As tigelas de encantamento, conhecidas como “tigelas de juramento”, eram usadas como uma espécie de amuleto nos tempos antigos e datam dos séculos VIII e IV dC. Era prática comum enterrá-las sob o chão da casa para proteção. Dentro das taças, palavras mágicas foram escritas na língua aramaica babilônica. A inscrição na tigela destina-se a combater maldições, demônios, doenças e pragas.

De acordo com Amir Ganor, chefe da Unidade de Prevenção de Roubos, “tigelas desse tipo vieram de locais antigos na área da Mesopotâmia, atual Iraque. O texto foi escrito por artistas para um cliente específico, de acordo com suas necessidades pessoais”.

Ocasionalmente, como pode ser visto em uma das tigelas, uma figura do demônio da “noite” foi pintada no centro da tigela, representando o indivíduo que a tigela deveria afastar. Em 2003, após a guerra no Iraque, milhares de “tigelas de encantamento” roubadas começaram a entrar nos mercados de comércio internacional.

A Autoridade de Antiguidades de Israel acredita que o suspeito consertou as tigelas e as restaurou para colocá-las à venda. Além das antiguidades, foram apreendidos em sua casa diversos produtos químicos, que supostamente se destinavam à restauração da cerâmica, bem como à limpeza de metais e moedas antigas.

LEIA TAMBÉM

Além de centenas de moedas, itens raros do período bíblico foram descobertos na casa do suspeito: objetos de osso e marfim decorados em estilo fenício, com motivos egípcios, que incluíam cenas do mundo animal, ao lado de ornamentos geométricos.

Em um dos objetos aparecem dois grifos – leões alados cuja face é humana, um de frente para o outro. O segundo artefato incluía a descrição de um comboio de quatro leões alados marchando um após o outro. Objetos de marfim semelhantes foram descobertos em escavações em um local antigo na Samaria, onde uma grande coleção de marfim, conhecida como “Samaria Marfins”, foi descoberta, bem como em outros locais antigos, como Tel Megiddo.

São itens decorativos que foram fixados em móveis de madeira por pregos nos séculos IX e VIII AEC. Encontrar artefatos decorados feitos de marfim desse período é extremamente raro, e a avaliação da Unidade de Prevenção de Roubos é que os artefatos foram escavados ilegalmente em um dos montes bíblicos na Samaria ou no norte de Israel.

“Antiguidades pertencem a todos nós. Elas são nossa herança”. Diz Eli Eskosido, Diretor da Autoridade de Antiguidades de Israel. “Os negociantes de antiguidades não autorizados incentivam saqueadores a sair e destruir sítios antigos em busca de achados à venda no mercado de antiguidades. Em nome da ganância, eles saqueiam sítios de antiguidades, removendo os achados de seu contexto histórico, obscurecendo partes da história humana”.

Na casa do suspeito foram apreendidos documentos que podem esclarecer suas ligações com ladrões de antiguidades e comerciantes não autorizados.

Após a investigação do suspeito, os inspetores da Autoridade de Antiguidades chegaram a uma casa de leilões na área central, onde apreenderam outros artefatos antigos que foram colocados à venda pelo suspeito em violação à lei.

Entre os achados estavam armas antigas, vidraria e moedas de bronze e prata.

No final da investigação, os autos serão transferidos para o Gabinete Jurídico da Autoridade de Antiguidades para apreciar a apresentação de uma acusação por tentativa de comércio de antiguidades sem autorização, falta de comunicação de descoberta de antiguidade, falta de registo de coleção e posse de bens suspeitos de furto, infrações penais cuja pena é de até três anos de prisão.

Fonte: Israel National News
Foto (ilustrativa): Canva