Restrições do fim de Pessach e saída da quarentena

A partir da tarde desta terça-feira, véspera do feriado do fim de Pessach, novas medidas de restrições entrarão em vigor. O bloqueio, que mantém israelenses em suas cidades, e no caso de Jerusalém em seus bairros, será imposto a partir de terça-feira às 17h até quinta-feira às 5 da manhã.

Além disso, nesta quarta-feira à noite, após o final da festividade de Pessach, durante a qual os judeus não consomem produtos com farinha e fermento, as padarias não poderão abrir, para evitar multidões. Para que a medida seja oficial, ela ainda precisa ser aprovada pelo gabinete do Primeiro Ministro.

Benjamin Netanyahu informou também que será apresentado um plano para sair gradualmente da quarentena.

Um plano em quatro fases

O Conselho de Segurança Nacional de Israel elaborou um plano para sair da emergência de saúde e reavivar a economia em quatro fases:

Os primeiros a retornar ao trabalho seriam os setores financeiro, tecnológico e industrial, e o restante começaria progressivamente nos estágios seguintes.

Um grupo de especialistas e acadêmicos projetou um modelo para restaurar a normalidade após as severas medidas para conter o coronavírus que paralisaram a vida cotidiana e econômica do país, e que será apresentado na próxima semana no Parlamento para aprovação.

Primeira fase: âmbito financeiro e industrial

O plano contempla uma primeira etapa na qual trabalhadores dos setores financeiro, de alta tecnologia ou industrial – que empregam mais de 10% da população – retornam ao trabalho adotando regras para evitar o contágio: com máscaras, distância de dois metros e regras rígidas de higiene.

Nesta fase, o transporte público também seria ampliado, os centros de educação especial ou pré-escola poderiam reabrir e os escritórios do setor público retomariam suas atividades em 50%.

As próximas três etapas seguiriam-se com intervalo de duas semanas cada uma.

Segunda fase: comércio e negócios não essenciais

O segundo passo seria a abertura de lojas e negócios não essenciais, atualmente fechados, e o retorno às escolas para crianças entre 6 e 10 anos.

Terceira fase: bares, restaurantes e escolas

O próximo nível inclui o retorno às salas de aula das crianças maiores de 10 anos, embora seja recomendável que as universidades continuem o curso de maneira virtual.

A abertura de cafés, bares e restaurantes também será permitida, com as regras básicas de higiene e distância social mantidas.

Reuniões em espaços públicos com grandes multidões permanecerão proibidas.

Quarta fase: lazer, cultura e shopping centers

A última fase será adotada apenas quando a pandemia estiver sob controle e planeja reabrir o restante dos espaços de lazer ou culturais, como teatros ou cinemas. Também será neste momento que serão permitidos o retorno aos shopping centers, a realização de competições esportivas e o retorno da circulação de voos de passageiros. Assim, o retorno do turismo ao país não é esperado até um estágio avançado.

O plano, no entanto, não contempla a expansão da liberdade de circulação ao mesmo tempo para todos os cidadãos: a população em risco e aqueles com 60 anos ou mais serão os últimos a retornar à rotina completa. Eles devem permanecer em casa à medida que essas fases progridem e as autoridades devem definir a maneira pela qual seu isolamento será aliviado.

Esta é a primeira proposta oficial divulgada no país, embora outras organizações e centros de estudos tenham realizado seus próprios estudos, para contribuir com o debate e a tomada de decisões.

Os matemáticos da Universidade de Bar Ilan propuseram recentemente um modelo para dividir a população em dois grupos, que alternariam entre isolamento e atividade rotineira a cada semana para manter a economia ativa em 50% enquanto metade do país estaria confinada, minimizando assim infecções