Saiba quais são os partidos para as próximas eleições

As eleições estão se aproximando. Aos leitores que não estão familiarizados com os partidos políticos de Israel que concorrem às eleições de 9 de abril, aí vai um apanhado geral. Não procurem muito saber de suas ideologias, pois elas somem no meio Das recíprocas acusações pessoais, O que é uma grande pena.

LIKUD – partido governamental da direita, liderado pelo premier Benjamin Netanyahu, há 10 anos.

KACHOL-LAVAN (Azul-Branco) – Novo partido de coligação de partidos do Centro. Fusão entre o Yesh Atid (Há futuro) de Yair Lapid e Hossen LeIsrael (Resiliência para Israel) de três ex-comandantes das Forças Armadas, Gantz, Bogi e Ashkenazi.

HA’AVODA (Trabalhista), de centro-esquerda, sob a liderança de Avi Gabay.

ICHUD HAYAMIN – (Coalizão da Direita) – Como o próprio nome diz é a fusão (temporária) do Partido Nacional Religioso (ex Mafdal) com seguidores do radical Kahana.

YAHADUT HATORÁ (Judaísmo pela Torá) – Partido hassídico ashkenazita, está na coalizão governamental e lá quer ficar. É liderado por Yaakov Litzman. Não abre mão em assuntos religiosos.

ZEHUT (Identidade) – Tende mais a direita, pois seu líder é Moshe Feiglin, que já foi do Likud. Apesar de ser religioso, ele é pela legalização do canabis. Disse poder fazer parte de governo que não seja liderado pelo Likud.

MERETZ – Talvez o único partido que é identificado com a esquerda. Tem deputados judeus e árabes, tem também posições muito liberais.

HAYAMIN HACHADASH (A Nova Direita) – Faz parte da coalizão governamental apesar de seu líder, Naftali Bennett, criticar Netanyahu. Até há pouco tempo foi o líder do Habait Hayehudi, que ajudou a formar.

TAAL CHADASH (Partido de coalizão árabe com o PC.) – Seus líderes são Ahmad Tibi, ex-conselheiro do Arafat e Ayman Odeh, líder do Partido Comunista Israelense.

SHAS – (Partido religioso sefaradita) – Cada vez mais radical, é liderado por Ariye Deri e está perdendo força. Já foi partido de 17 deputados e conta atualmente com 5.

ISRAEL BEITEINU (Israel Nosso Lar) – Liderado por Avigdor Lieberman. Foi criado para dar abrigo partidário a imigrantes da ex-URSS, é de tendência direitista, mas…

GESHER (Ponte) – Fundado pela ex-deputada do Israel Beiteinu e filha do ex-ministro pelo Likud, David Levi. Muito ativa nos assuntos dos menos favorecidos. Pelo visto não passara a barreira.

RAAM-BALAD (Partido árabe) – Tem 4 deputados atualmente. É de ideologia radical anti-israelense, tem um deputado – Azmi Bishara – que fugiu para o Qatar antes de ser preso por traição e outro na cadeia. Depois da cisão da Lista Árabe Unida, parece que não entrará no próximo Knesset.

KULANU – (Todos nós) – Do atual Ministro da Fazenda Moshe Kachlon, ex Ministro pelo Likud. Nas últimas pesquisas não alcança o mínimo para entrar na Knesset.

Além desses, há mais 30, como o Partido dos Piratas, Simplesmente Amor, Iguais, Eu e Você, Partido dos Aposentados, A Esperança pela Mudança, Educação, O Bloco Bíblico, Justiça Social, Justiça para Todos, Brit Olam e outros.

É como diz a piada: onde tem um judeu, há duas sinagogas. Em uma ele nunca entrará. O problema é que com muitos partidos para integrar uma coalizão, cada um puxa para o seu lado e a “chantagem” é maior. O atual governo é liderado pelo Likud que obteve 30 deputados dos 120 na Knesset (25%). Nem sempre o maior partido consegue fazer coalizão. A deputada Tsipi Livni, do Kadima (Avante) obteve mais votos que o Likud em 2009, mas não conseguiu formar coalizão governamental. Atualmente pelas pesquisas de opinião pública, o partido Kachol Lavan do Gantz receberia 33 cadeiras contra o Likud com 28 cadeiras. No entanto, parece que não conseguiria formar um governo, pois há mais partidos de orientação direitista. Mas, politica é cheia de interesses. Que vença aquele que fará o melhor por Israel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *