“Se eu pudesse mandar os árabes para a Suíça, eu o faria”, disse Kahana

Em um discurso para meninos religiosos do ensino médio em Efrat, o vice-ministro de Assuntos Religiosos e deputado do Yamina, Matan Kahana disse que a perspectiva de paz com os palestinos é fraca e irrealista, por enquanto.

“Se houvesse um botão que fizesse os árabes desaparecerem daqui, mandaria de trem expresso para a Suíça e que eles vivessem uma vida feliz lá, eu lhes desejaria tudo de bom na Suíça, eu apertaria este botão. Um botão como esse não existe”.

Kahana explicou que, como a narrativa palestina não reconhece as conexões históricas judaicas com a terra de Israel, ela nunca pode conectar sua própria história seja sobre Tel Aviv (ou Al-Shaykh Muwannis) no soberano Israel ou em qualquer outro lugar.

Lembrou que os yishuvim judaicos da Judeia e Samaria não foram construídos após a expulsão dos árabes e que estes têm uma narrativa completamente diferente sobre a história, que ele rejeita como um todo.

O deputado fez questão de esclarecer sua declaração no Twitter tanto em hebraico quanto em inglês.

“Conversando com estudantes ontem, mencionei que as populações judaica e árabe não vão a lugar nenhum”, escreveu ele. “Como tal, devemos trabalhar para viver em coexistência. Nossa coalizão é um passo corajoso em direção a esse objetivo. Dentro dessa discussão mais ampla, algumas de minhas declarações foram mal redigidas”.

“Matan Kahana, estamos aqui porque esta é nossa pátria. Você e outros que pensam como você, podem continuar chafurdando em suas frustrações porque não vamos desaparecer!”, tuitou o deputado do Ra’am, Waleed Taha, logo após o vídeo, inicialmente relatado pela TV KAN, circular nas mídias sociais.

LEIA TAMBÉM

O deputado Ahmad Tibi, da Lista Conjunta, respondeu zombando: “Há um botão que o tirará deste governo e da Knesset. Eu o pressionarei em breve”.

“A maçã Kahanista não caiu muito longe da árvore… e neste governo, eles ainda estão falando sobre a cooperação árabe-israelense”, tuitou sua colega da Lista Conjunta, Aida Touma-Sliman.

Touma-Sliman estava se referindo ao ex-deputado Meir Kahane, que pediu que os árabes fossem expulsos de Israel e não tem relação com Matan Kahana. Seu partido Kach foi proibido de concorrer novamente à Knesset.

“Esta foi uma declaração terrível, é uma pena que tenha sido dita”, tuitou o Ministro do Planejamento Estratégico no Gabinete do Primeiro Ministro, deputado Eli Avidar, do Israel Beitenu. “Os árabes-israelenses estão aqui e estão aqui para ficar. Precisamos acabar com posturas como essas”.

“Ninguém está saindo, nem para a Suíça e nem para nenhum outro lugar”, tuitou Mossi Raz, do Meretz. “Vamos ficar aqui juntos para construir uma sociedade democrática e igualitária”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: ArielinsonCC BY-SA 4.0 (Wikimedia Commons)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.