Kahana quer que judeus estrangeiros entrem sem permissão especial

O Ministro de Serviços Religiosos Matan Kahana escreveu ao Ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, e solicitou que cidadãos judeus estrangeiros e israelenses expatriados com parentes em Israel possam entrar em Israel sem permissões especiais durante períodos de maiores restrições impostas devido à pandemia COVID-19.

O ministro disse que tal medida é necessária para fortalecer o sentimento de pertencimento e proximidade dos judeus em todo o mundo ao Estado de Israel.

Funcionários do gabinete de Kahana se reuniram com funcionários do Gabinete do Primeiro Ministro para fazer avançar a proposta, disse um porta-voz do ministro, embora reuniões semelhantes com o Ministério da Saúde ainda não tenham ocorrido.

Kahana é o segundo ministro a apresentar tal ideia nas últimas duas semanas, depois que o ministro da Inteligência, Elazar Stern, fez uma proposta semelhante.

O pedido de Kahana vem após a reimposição pelo governo no final de novembro de uma proibição total de entrada de estrangeiros no país, com poucas exceções, devido a preocupações em torno da variante Omicron COVID-19.

Milhares de judeus na Diáspora tiveram sérias dificuldades para visitar familiares em Israel desde que essas restrições foram colocadas em prática, enquanto dezenas de milhares tiveram problemas semelhantes no ano passado, desde o início da pandemia.

LEIA TAMBÉM

“Solicito que, como parte de sua política, o Estado de Israel crie uma distinção entre turistas e judeus de todo o mundo”, escreveu Kahana ao ministro da saúde.

Ele observou que muitos judeus da Diáspora e expatriados israelenses visitam Israel com frequência para visitar a família e porque veem o país como uma segunda casa.

Kahana disse que um judeu que tem um parente de primeiro grau em Israel que seja um novo imigrante ou que esteja servindo nas FDI, ou que seja estudante, deve ser colocado em um caminho de entrada diferente daquele de outros turistas, a fim de tornar mais fácil para eles entrarem em Israel sem a necessidade de uma licença especial.

O ministro dos serviços religiosos disse que tal sistema não deve ser aplicado a pessoas vindas dos chamados “países vermelhos” com altas taxas de infecção por COVID, ou para os não vacinados.

“Acho que nós, como governo de Israel, somos obrigados a fazer essa distinção e a trabalhar sempre, inclusive durante o período do coronavírus, para fortalecer o sentimento de pertencimento e proximidade de judeus ao redor do mundo e israelenses que não vivem em Israel ao Estado de Israel”, concluiu Kahana.

Os comentários do ministro seguem os feitos na semana passada por Stern, que disse que o governo deveria instituir um status especial para estrangeiros judeus que desejam visitar Israel, como aquelas em viagens e programas de experiência em Israel, e para aqueles em delegações com Organizações representativas judaicas e grupos filantrópicos.

O rabino-chefe da África do Sul, Dr. Warren Goldstein, que pediu ao governo israelense que não fechasse as portas ao mundo judaico durante a crise do COVID, agradeceu a Stern por sua defesa da questão em uma carta que enviou ao ministro na segunda-feira.

Goldstein disse em sua carta a Stern que a política de fechamento “prejudica a conexão entre os judeus da Diáspora e o Estado de Israel”, acrescentando que os judeus da Diáspora ficaram “muito ofendidos com a proibição de entrada de judeus de todo o mundo. Esta política causa danos fundamentais e contínuos entre Israel e as comunidades judaicas em todo o mundo, e à essência da identidade de Israel como um estado judeu”, escreveu o rabino.

Goldstein reconheceu que o governo não deve colocar em risco a saúde de seus cidadãos, mas disse que a solução seria impor as mesmas restrições de entrada aos estrangeiros que aos israelenses que retornam do exterior e que atualmente ainda têm permissão para sair e retornar ao país sob condição de quarentena e teste de PCR.

“A doença não faz distinção entre quem tem passaporte israelense e quem não tem”, destacou o rabino.

Goldstein agradeceu a Stern por levantar a questão que “influencia o poder estratégico e de longo prazo da conexão do Estado de Israel com os judeus da Diáspora” e disse que o povo judeu não podia se dar ao luxo de ser dividido em dois.

“Peço que expliquem urgentemente essa responsabilidade a seus colegas de governo para que seja possível mudar essa política imediatamente”.

Fonte: JPost
Foto: Shutterstock