Sinagoga de Mumbai, Patrimônio da Humanidade

A Sinagoga Kneseth Eliyahu, na Índia,  foi reconhecida esta semana pela UNESCO com Patrimônio da Humanidade após sua bem-sucedida renovação.

É a segunda sinagoga mais antiga da Índia e foi construída em 1884 pela família Sassoon como um imponente local de culto para uma das comunidades judaicas mais antigas do mundo. No entanto, a queda da comunidade, quando judeus indianos buscaram oportunidades religiosas, econômicas e educacionais em Israel, Inglaterra e Estados Unidos, fez com que a sinagoga se deteriorasse nos últimos tempos.

O World Monument Fund, que também contribuiu para a conservação de lugares como a Torre Inclinada de Pisa e as estátuas da Ilha de Páscoa, desenvolveu os planos de restauração da sinagoga para 2010, mas a comunidade era muito pequena para ajudar a financiar.

Em 2017, a JSW Foundation, um dos maiores conglomerados de negócios da Índia, interveio para financiar o trabalho, vendo o projeto como um benefício não apenas para os judeus, mas para toda a comunidade. Os reparos foram realizados sob a direção do arquiteto Abha Lambah, e sua realização levou dois anos.

“Sou hindu, mas tentarei ajudar as pessoas da minha cidade”, disse Sangita Jindal, presidente da JSW Foundation. “Era uma necessidade imperativa. A comunidade não tinha facilidade de fazer isso por conta própria, porque são muito poucos.”

Construída na tradição sefardita, a arca da sinagoga fica na parede com vista para Jerusalém. Detalhes como colunas e painéis ornamentados foram escolhidos em azul, creme e dourado, e a sinagoga possui alguns dos maiores vitrais da Índia.

Solomon Sopher, presidente e administrador da Sinagoga Kneseth Eliyahu agradeceu a Sangita Jindal, Abha Narain Lambah e outras pessoas que trabalharam incansavelmente na restauração da bela sinagoga.

O monumento renovado, equipado com uma cozinha kosher, está aberto aos visitantes, que também podem desfrutar dos produtos de um novo restaurante no local que serve a tradicional culinária judaica indiana de Bagdá.