Tel Aviv exibe mapas escolares com as fronteiras de 67

A prefeitura de Tel Aviv está liderando uma iniciativa para ensinar os alunos sobre a Linha Verde, mas as o Ministério da Educação quer proibir o uso de mapas mostrando a fronteira de Israel antes de 1967, “nem mesmo como um pôster na parede”.

À medida que o início do novo ano letivo se aproxima, a Prefeitura de Tel Aviv colocou mapas de Israel em cerca de 2.000 salas de aula da cidade.

O problema é que esses mapas distinguem entre Judeia e Samaria e o resto do território israelense.

O Ministério da Educação imediatamente discordou da postura do município diante do clamor causado por essa intrusão política no espaço escolar.

O ministério disse que os mapas foram feitos por “amadores”, não eram “profissionais” e vieram da Prefeitura de Tel Aviv, que não obteve permissão para pendurá-los nas salas de aula. “Por isso estes mapas não podem ser usados para fins didáticos ou mesmo servir de cartaz na parede das salas de aula”.

LEIA TAMBÉM

A Câmara Municipal de Tel Aviv nega ter querido enviar uma mensagem política aos estudantes: “É importante para nós que os estudantes conheçam não só a sua cidade e a sua área de residência, mas também todo o país. Deixe-os saber onde fica cada cidade, quantas pessoas moram lá e qual é a composição da população. É importante que eles conheçam nossas fronteiras com outros países e também as fronteiras da soberania israelense, bem como a complexa realidade de certas regiões”.

Esta não é a primeira tentativa da Prefeitura de Tel Aviv nesta questão. Em abril passado, em homenagem a Yom Haatzmaut, ela pendurou mapas de Israel em postes de luz na cidade, sem as Colinas de Golã. Após receber reclamações, a Prefeitura retirou os cartazes.

Fontes: lphinfo.com e Haaretz
Foto (ilustrativa): Justin McIntosh, CC BY 2.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Tel Aviv exibe mapas escolares com as fronteiras de 67

Fechado para comentários.