Tel Aviv remove mural considerado incentivo ao assédio sexual

O município de Tel Aviv removeu um famoso mural que mostrava homens espiando dentro do vestiário feminino em uma praia, após quatro pichações em dois anos do polêmico desenho por ativistas feministas.

O mural de 2000 do artista de rua Rami Meiri é uma homenagem a um filme de 1972, “Peeping Toms” ou “Metzitzim” (espiando) em hebraico, que se tornou um filme cult, apesar de ser visto como extremamente degradante para as mulheres. Ele foi pintado do lado de fora do banheiro da chamada Praia Metzitzim, em Tel Aviv, onde grande parte do filme foi rodado.

“Em resposta às reclamações, apagamos o mural que mostrava adolescentes espiando no vestiário feminino”, tuitou o prefeito de Tel Aviv, Ron Huldai, na manhã de domingo.

“A liberdade de expressão e a arte são valores importantes em nossa cidade, mas, no entanto, como o desenho é percebido como aceitação de um ato moralmente errado e criminoso, decidiu-se retirá-lo”, disse Huldai.

LEIA TAMBÉM

Prevenindo-se de possíveis reclamações de que o ato “apagaria o passado”, Huldai rebateu que “expressa uma mensagem clara para as próximas gerações”.

O artista Meiri descreve sua criação como uma abordagem humorista da cultura que existia na praia nos anos 1970.

“Descreve um período que faz parte do legado da praia. Um período que felizmente acabou, mas muitos veem como uma parte central de seu passado”, disse ele ao jornal Haaretz no final do mês passado.

Mas, embora o município tenha restaurado o desenho ao seu estado anterior em cada um dos incidentes anteriores de vandalismo, desta vez decidiu apagar o mural por completo.

“O mural foi desenhado em um período muito ingênuo, antes da violência que vemos na sociedade hoje”, Meiri reagiu neste domingo. “Se eu tivesse pretendido desenhá-lo hoje, definitivamente não poderia, porque de fato não é apropriado para nossos tempos”.

“Compreendo a decisão de retirar o desenho, mas também estou indignado, porque a mensagem que tentava transmitir podia ter prevalecido, mas entendo o município”, acrescentou.

Um relatório de 2014 do Channel 10 levantou suspeitas de que assédio e abuso sexual ocorreram em parte da produção do filme “Metzitzim”. A prima da atriz Mona Zilberstein chegou a afirmar que uma cena de estupro no filme foi um estupro real, que junto com outros incidentes de assédio sexual a levou ao uso de drogas e à sua eventual morte por overdose. O acusado era Uri Zohar, a estrela do filme, que depois se tornou um rabino.

A decisão de Tel Aviv vem em meio a um protesto público sobre um estupro coletivo de uma adolescente na cidade turística de Eilat, no sul do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *