Teva faz primeira incursão no setor de cannabis medicinal

A Teva Pharmaceutical Industries de Israel, uma das maiores fabricantes de medicamentos genéricos do mundo, está dando seus primeiros passos na indústria de cannabis medicinal.

A gigante farmacêutica anunciou que assinou um novo acordo com Cannbit-Tikun Olam, o maior fornecedor de cannabis medicinal em Israel, para comercializar e distribuir seus produtos em Israel e na Autoridade Palestina, bem como na Ucrânia em um futuro próximo.

Pelo acordo, a Cannbit-Tikun Olam vai produzir óleos de cannabis medicinal ricos em THC, o principal composto psicoativo da cannabis, e CBD (canabidiol), um composto que não tem o componente psicoativo e é usado em remédios naturais. Os óleos serão baseados em variedades de cannabis desenvolvidas pela empresa israelense e selecionadas pela Teva, que os comercializará sob uma nova marca conjunta.

Os óleos serão processados de acordo com as “instruções e padrões rigorosos” da farmacêutica, disseram as empresas.

A Teva Israel e a Cannbit-Tikun Olam disseram que vão colaborar inicialmente por um período de 10 anos, com a opção de se estender por mais nove anos.

Avinoam Sapir, gerente geral da Cannbit-Tikun Olam que atuou como CEO da Teva Israel de 2013 a 2020, disse ao The Times of Israel que o acordo era “um grande e importante negócio” e uma demonstração de confiança da parte da Teva no setor de cannabis medicinal em desenvolvimento de Israel.

LEIA TAMBÉM

Sapir disse que a indústria de cannabis medicinal em Israel é um mercado em evolução que deve atingir US$ 390 milhões, em 2021.

“Já temos cerca de 100.000 pacientes em Israel recebendo cannabis medicinal regularmente”, disse Sapir. Ele espera começar a distribuir os óleos com a Teva no primeiro semestre de 2022.

Sapir disse que, embora a cannabis medicinal ainda não seja legal na Autoridade Palestina, havia conversas em andamento com as autoridades de saúde palestinas para permitir o seu consumo “para efeitos terapêuticos específicos, como autismo, dor e outros distúrbios”. Ele estimou que o mercado na Autoridade Palestina seria de cerca de 50.000 pacientes.

Sapir disse que, ao longo de 2021, a Cannbit-Tikun Olam participou de 35 ensaios clínicos usando suas cepas de cannabis para testar tratamentos para diferentes condições, incluindo doença de Crohn, epilepsia e sintomas de autismo em crianças.

O uso de cannabis medicinal é legal em Israel desde a década de 1990 para pacientes que sofrem de doenças graves, mas a última década viu um aumento exponencial no número de destinatários, à medida que a droga ganhou amplo apoio político e público. Israel se tornou um pioneiro global no cultivo e pesquisa de cannabis medicinal, enquanto os médicos a prescrevem para ajudar em uma variedade de condições físicas, mentais e emocionais, incluindo PTSD, condições gastrointestinais, cuidados paliativos no fim da vida, dor crônica e epilepsia.

Os pacientes devem se inscrever para obter licenças para consumir cannabis de grau médico, que recebem nas farmácias. De acordo com a Agência Israelense de Cannabis Médica (IMCA), operando sob os auspícios do Ministério da Saúde de Israel, 108.013 licenças foram emitidas em Israel em novembro de 2021, ante 104.907 em outubro. Em fevereiro deste ano, foram emitidas pouco mais de 94.000 licenças.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.