Um em cada cinco israelenses é muçulmano

Um em cada cinco israelenses é muçulmano de acordo com dados publicados pelo Bureau Central de Estatística (CBS) nesta quinta-feira. Eles se casam um pouco mais cedo do que os judeus, e a taxa de fertilidade das mulheres muçulmanas é maior em comparação com as mulheres de outros países. Existem cerca de 1.669.000 muçulmanos vivendo em Israel, 33% com menos de 14 anos, o que representa cerca de 18% da população total do país.

Os dados mostram que cerca de metade dos muçulmanos em Israel vive no norte do país, 22% deles vivem no distrito de Jerusalém, 17,3% no distrito do sul, 10,9% no distrito central e cerca de 1,2% dos muçulmanos moram no distrito de Tel Aviv.

De acordo com os dados, Jerusalém tem o maior número de muçulmanos – cerca de 353.800 e eles constituem cerca de 37% dos moradores da cidade. Os dados também mostram que cerca de 73.300 muçulmanos vivem em Rahat, de 56.600 em Umm al-Fahm, de 56.200 em Nazaré, 44.500 em Taibeh, 34.800 em Tamra, 30.600 em Sakhnin e 30.400 em Baqa al-Gharbiya.

Em 2019, a idade média de casamento dos noivos muçulmanos que se casavam pela primeira vez era 26,7, e das noivas, 22,8. A idade média dos noivos judeus era de 27,4 e das noivas 25,6 anos, também para os que se casavam pela primeira vez.

Os dados do CBS também mostram que no ano passado 38.388 bebês nasceram de mulheres muçulmanas em Israel (21,7% de todos os bebês nascidos este ano), 1.137 bebês a menos em comparação com 2019.

A taxa de fecundidade da população muçulmana está em tendência de declínio desde 2001, atingindo 3,16 em 2019 (3,20 em 2018) filhos por mulher, em média. A taxa de fecundidade total das mulheres muçulmanas é superior à das mulheres de outras religiões (judias – 3,09, cristãs – 1,80 e drusas – 2,02).

LEIA TAMBÉM

Em 2019, a taxa de fecundidade mais alta foi entre as mulheres muçulmanas que moravam no Distrito Sul – 5,28 filhos por mulher, e a menor taxa foi entre as mulheres muçulmanas dos Distritos do Norte (2,51) e Haifa (2,54).

O CBS também revelou que a taxa de fecundidade das mulheres muçulmanas em Israel é maior do que as taxas de muitos países muçulmanos na região, como a Turquia – 2,11, Kuwait – 1,90 e Qatar – 1,83, semelhante à taxa de fecundidade na Argélia – 3,10 e menor do que as taxas no Egito – 3,50 e na Jordânia – 3,38.

Além disso, a expectativa de vida também foi examinada. Os dados mostram que a expectativa de vida dos muçulmanos em 2020 era de 78,5 anos contra 83,5 entre os judeus, uma diferença de cinco anos. Em comparação com 2019, a expectativa de vida dos muçulmanos diminuiu 0,9 anos, enquanto a expectativa de vida dos judeus permaneceu inalterada. A CBS disse que a principal diminuição na expectativa de vida dos muçulmanos entre 2019 e 2020 é entre os homens – uma diminuição de 1,2 ano, em comparação com uma diminuição de 0,5 ano entre as mulheres muçulmanas.

A CBS também analisou dados sobre a corona e a população muçulmana. Os dados mostram que, desde a eclosão da epidemia da corona em Israel, no final de fevereiro de 2020, até o final de maio de 2021, 136.941 muçulmanos foram diagnosticados com o vírus Corona, em comparação com 612.708 judeus. 57% dos cidadãos muçulmanos foram diagnosticados em 2020 e 43% em 2021, enquanto entre os judeus a porcentagem em ambos os anos foi semelhante.

A proporção do total infectados em todo o período é ligeiramente maior entre os judeus em comparação com os muçulmanos (89,1 por 1.000 contra 82,1 por 1.000). A taxa por idade é diferente – entre aqueles com menos de 70 anos, a taxa é 1,2 vezes maior entre os judeus em comparação com os muçulmanos (94,2 em comparação com 81,4 por 1.000, respectivamente), mas entre aqueles com 70 anos ou mais é 2,6 vezes maior entre os muçulmanos em comparação com os judeus (107,8 por 1.000 entre os muçulmanos em comparação com 42,0 por 1.000 entre os judeus).

Outra área examinada é a criminal. Os dados mostram que, em 2019, o número de pessoas em julgamento em processos criminais residentes em Israel era de 24.300. Destes, 7.600 eram muçulmanos (31,1%). Por idade, a porcentagem de muçulmanos que viviam em Israel que estavam em julgamento foi de 31,3% entre os adultos e 29,1% entre os menores.

A porcentagem de condenados entre todos os residentes israelenses que foram processados ​​em julgamentos criminais foi de 85,7%, enquanto a porcentagem entre os muçulmanos foi maior (91,6%). As diferenças na porcentagem de condenados, entre todos os residentes israelenses e residentes muçulmanos, estavam entre os adultos (89,6% vs. 94,7%, respectivamente), mas principalmente entre os menores (40,9% vs. 53,0%, respectivamente).

Fonte: Ynet
Foto: Canva