Universidade de Tel Aviv lançará seu próprio satélite

A Universidade de Tel Aviv lançará ao espaço um satélite próprio, projetado e construído por alunos da instituição, que terá como objetivo medir a radiação cósmica ao redor da Terra.

O satélite TAU-SAT1 é o primeiro satélite projetado pelo novo Centro de Nanosatélites da Universidade de Tel Aviv e envolveu a colaboração entre vários departamentos, entre eles as Faculdades de Engenharia e Ciências Exatas e a Escola Porter de Meio Ambiente e Ciências da Terra.

O TAU-SAT1 tem um longo caminho pela frente: primeiro será submetido a testes pré-voo na Agência Espacial Japonesa, depois será enviado para os Estados Unidos, onde será “enganchado” em uma viagem em uma nave espacial da NASA e Northrop Grumman, carregando suprimentos com destino à Estação Espacial Internacional (ISS) no início de 2021. Quando chegar à ISS, TAU-SAT1 se descolará em uma órbita baixa da Terra, cerca de 400 quilômetros acima do nosso planeta.

O nanosatélite medirá a radiação cósmica, emitida pelo sol e por objetos celestes distantes, como galáxias. Ele também conduzirá vários outros experimentos no espaço.

LEIA TAMBÉM

“Nós sabemos que existem partículas de alta energia se movendo através do espaço que se originam da radiação cósmica”, disse o Dr. Meir Ariel, diretor do Centro de Nanosatélites. “Nossa tarefa científica é monitorar essa radiação e medir o fluxo dessas partículas e de seus produtos. O espaço é um ambiente hostil, não só para os humanos, mas também para os sistemas eletrônicos. Quando essas partículas atingem astronautas ou equipamentos eletrônicos no espaço, podem causar danos significativos. A informação científica recolhida pelo nosso satélite permitirá desenhar meios de proteção para os astronautas e sistemas espaciais”. Ele acrescentou que o satélite também conduzirá outros experimentos, alguns dos quais foram desenvolvidos pelo Departamento de Meio Ambiente Espacial no Centro de Pesquisa Nuclear Soreq de Israel.

O nanosatélite orbitará a Terra a cerca de 7,6 quilômetros por segundo, completando uma órbita ao redor da Terra a cada 90 minutos. A Universidade construiu uma estação de recepção de transmissão via satélite no telhado do prédio da Faculdade de Engenharia, que permitirá aos cientistas coletar dados do nanosatélite por meio de antenas. O nanosatélite passará por Israel quatro vezes ao dia, cada janela durando não mais que 10 minutos.

O Dr. Ofer Amrani, chefe do laboratório de satélites em miniatura, elogiou o satélite, explicando que ele será usado para transmitir informações para outras comunicações de rádio ao redor do mundo e que deve permanecer em órbita por vários meses. “Por não ter motor, sua trajetória se desvanece com o tempo como resultado da resistência atmosférica; vai queimar na atmosfera e voltar para nós como poeira estelar”, relatou.

A escola espera que este lançamento abra caminho para que outros acadêmicos se juntem à nova revolução espacial e enviem outros objetos para o espaço, sem necessariamente fazer parte de uma agência espacial profissional. Os pesquisadores esperam que esse impulso acelere e crie mais oportunidades para os engenheiros montarem satélites menores por uma fração do custo.

Fonte: Agência AJN

Foto: Universidade de Tel Aviv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *