YouTube censura vozes pró-Israel e permite hino à violência palestina

Os atos de defesa de Israel contra foguetes terroristas de Gaza estão trazendo o pior da mídia social: não apenas as postagens, mas também as políticas das próprias empresas gigantes de tecnologia, neste caso o YouTube.

Na segunda-feira, o conhecido grupo de vigilância da mídia Honest Reporting descobriu que uma entrevista com seu diretor, conduzida pela televisão RT da Rússia, havia sido removida do YouTube.

O CEO do Honest Reporting, Daniel Pomerantz, foi convidado pela RT para fornecer uma análise sobre a situação em Gaza em meio à crescente pressão internacional sobre Jerusalém para chegar a um acordo de cessar-fogo com o grupo terrorista Hamas, apoiado pelo Irã, que comanda Gaza.

O Hamas e a Jihad Islâmica dispararam mais de 3.800 foguetes contra centros populacionais israelenses desde que o Hamas abriu as hostilidades em 10 de maio e, na entrevista de seis minutos, Pomerantz explicou a posição israelense e derrubou algumas das notícias falsas que foram propagadas.

Mas logo depois que o vídeo com a entrevista foi postado no canal do YouTube do Honest Reporting, ele foi bloqueado por violar as “Diretrizes da comunidade” do YouTube.

LEIA TAMBÉM

“Queríamos que você soubesse que nossa equipe analisou seu conteúdo e achamos que isso viola nossa política de organizações criminosas violentas”, disse o YouTube em um e-mail enviado ao HR. “Sabemos que você pode não ter percebido que isso era uma violação de nossas políticas, então não estamos aplicando um aviso a seu canal. No entanto, removemos o seguinte conteúdo do YouTube”.

Em um dos casos mais absurdos de censura anti-Israel, o vídeo foi substituído por uma tela preta com a mensagem: “Este vídeo foi removido por violar as Diretrizes da comunidade do YouTube”.

O Honest Reporting observou que outro clipe pró-Israel de um meio de comunicação de grande circulação, o SKY News, também foi censurado. O comentário do âncora da Sky News Australia Rowan Dean também foi sinalizado pelo YouTube como “impróprio ou ofensivo”.

“A oposição ao terrorismo palestino contra os judeus aparentemente se tornou uma ‘microagressão’ que poderia ‘desencadear’ muitas das mesmas pessoas que se sentem confortáveis atacando comícios pró-Israel”, observou o Honest Reporting em seu site.

Enquanto isso, o YouTube permite uma propaganda islâmica de incitamento à violência

Isso inclui um vídeo do cantor palestino Abdullah Al-Saidda, que acumulou mais de 53 milhões de visualizações, para sua música “Target Identified”, que foi postada em outubro de 2020 e ainda está no ar em maio de 2021.

A música inclui a letra, “Chegou a hora de uma guerra feroz” e “o cheiro da pólvora é mais agradável do que o perfume”, que Al-Saidda canta enquanto levanta uma arma em seu rosto, respirando seu aroma e, em seguida, carregando uma caixa de armas automáticas em seu carro.

Al-Saidda olha para a câmera e diz: “Cale a boca e não atravesse a fronteira / Se você cruzar, colocaremos fim à sua existência”. Ele então passa a mão pela garganta, em um gesto de cortar a garganta.

Fonte: United With Israel
Foto: Captura de tela (https://www.youtube.com/watch?v=LCxi9gHJAj4)

One thought on “YouTube censura vozes pró-Israel e permite hino à violência palestina

Fechado para comentários.