30 anos depois, as imagens da Operação Salomão

Trinta anos depois da Operação Salomão, em 1991, quando cerca de 15.000 judeus etíopes foram trazidos de avião para Israel, o Ministério da Defesa divulgou imagens raras da operação que estão nos arquivos das FDI

O vídeo da operação e as gravações foram feitas pelo comandante da unidade de elite Shaldag na época, Benny Gantz, agora ministro da Defesa.

O pessoal da Força Aérea de Israel, incluindo os comandos Shaldag sob o comando de Gantz, que asseguraram os aviões israelenses usados ​​no transporte aéreo, gravaram partes da operação, incluindo os preparativos para a decolagem, o pouso em Addis Abeba e o momento em que Amnon Lipkin Shahak, na época subchefe de gabinete que comandou a operação, anunciou que os primeiros imigrantes estavam no aeroporto e começaram o embarque.

O material de vídeo foi encontrado recentemente durante um projeto de digitalização, no qual dezenas de milhares de horas de imagens de arquivo das FDI estão sendo convertidas de rolos de vídeo e filme para mídia digital para as gerações futuras.

O Ministério da Defesa também divulgou a documentação de planejamento original, detalhes dos depoimentos que se seguiram, avaliações do processamento de imigrantes no aeroporto e sua transferência para centros de integração.

Também inclui um briefing do serviço de inteligência sobre o então presidente etíope, Mengistu Haile Mariam, que fugiu abruptamente para o Zimbábue depois de deposto, o fato catalisador para o lançamento da Operação Salomão.

LEIA TAMBÉM

Nas gravações, Gantz pode ser ouvido falando sobre uma série de desafios operacionais, incluindo o fornecimento de água, uma mulher que entrou em trabalho de parto durante a operação e vários desafios relacionados à comunicação.

Ele conclui dizendo que “durante a operação nunca há tempo a perder, você está trabalhando sob pressão constante. Mas então, no voo de volta para casa, você tem a chance de observar os idosos e as crianças. Você sabe que os idosos estão realizando um sonho, e os filhos vão precisar de 30-40 anos de integração, mas depois vai ficar tudo bem”.

A liberação desses materiais ocorre depois de cerca de 4.000 judeus etíopes que morreram em sua jornada para Israel terem sido homenageados durante os últimos eventos oficiais do Dia de Jerusalém.

Em março, o último voo da Operação Rock de Israel para trazer o restante da comunidade Falash Mura da Etiópia  pousou em Israel .

Cerca de 2.000 membros da comunidade Falash Mura foram trazidos para Israel em uma série de voos que começaram em dezembro passado.

Entre os 2.000 novos imigrantes, havia 893 crianças, incluindo 70 bebês com menos de um ano de idade.

Os laços diplomáticos entre Israel e a Etiópia foram restabelecidos, em 1989, após uma interrupção de 16 anos e Mengistu permitiu que várias centenas de judeus imigrassem para Israel a cada mês em um programa de reunificação familiar.

No início de 1991, a situação de segurança na Etiópia deteriorou-se à medida que os conflitos entre o governo central e os oponentes de Mengistu se intensificaram. Com o aumento das tensões, houve uma preocupação crescente com o destino dos judeus da Etiópia e foi decidido evacuá-los para Israel em uma operação rápida. Israel pagou cerca de US$ 35 milhões ao governo etíope, incluindo doações dos judeus americanos, por seu consentimento em permitir que os judeus fossem transportados de avião para Israel. A evacuação foi chamada de “Operação Salomão”, em homenagem ao Rei Salomão, que, de acordo com a bíblia, encontrou a Rainha de Sabá, que se pensava ser do que hoje é a Etiópia,

Foto: The Jerusalem Post
Foto: Ministério da Defesa – Arquivos FDI. Fotógrafo: Miki Tzafrati