Israel pede que se evite viagens ao Sri Lanka

O Ministério do Exterior de Israel alertou neste sábado os cidadãos para viagens à capital do Sri Lanka, Colombo, depois que o primeiro-ministro do país do sul da Ásia concordou em renunciar após manifestantes invadirem a residência e o escritório do presidente em fúria com o agravamento da crise econômica.

O presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, fugiu de sua residência oficial pouco antes de dezenas de milhares invadirem sua casa e seu escritório.

As imagens mostraram pessoas em clima de júbilo dando um mergulho na piscina do jardim da residência. Alguns deitaram na cama, outros tomaram chá, e fizeram “declarações” da sala de conferências de que Rajapaksa e o Primeiro-Ministro, Ranil Wickremesinghe, deveriam sair imediatamente. Líderes dos partidos no Parlamento também exigiram que ambos renunciassem.

“Desde esta manhã, milhares de cidadãos do Sri Lanka estão protestando na capital Colombo e a situação não é estável no momento”, disse o Ministério do Exterior de Israel em comunicado.

O ministério pediu aos cidadãos israelenses em Colombo que obedeçam às instruções da segurança local e fiquem longe das áreas de protesto. Aqueles que estão atualmente fora da capital ou do país foram recomendados a evitar viajar para a cidade.

Rajapaksa nomeou Wickremesinghe como primeiro-ministro em maio, na esperança de que o político de carreira usasse sua diplomacia e contatos para ressuscitar uma economia em colapso. Mas a paciência da população se esgotou à medida que a escassez de combustível, remédios e gás de cozinha só aumentou e as reservas de petróleo secaram.

Um porta-voz do governo, Mohan Samaranayake, disse que não tinha informações sobre o paradeiro de Rajapaksa.

LEIA TAMBÉM

O parlamentar da oposição Rauff Hakeem disse no Twitter que foi alcançado um consenso de que o presidente do parlamento deve assumir o cargo de presidente temporário e trabalhar em um governo interino.

A economia do Sri Lanka está em colapso, atrapalhando a ajuda da Índia e de outros países enquanto seus líderes tentam negociar um resgate com o Fundo Monetário Internacional. O colapso econômico levou a uma grave escassez de itens essenciais, deixando as pessoas lutando para comprar alimentos, combustível e outros gêneros de primeira necessidade.

A turbulência levou a meses de protestos, que quase desmantelaram a dinastia política Rajapaksa que governou o Sri Lanka durante a maior parte das últimas duas décadas.

Pelo menos 34 pessoas, incluindo dois policiais, ficaram feridas em confrontos enquanto manifestantes tentavam entrar na residência. Dois dos feridos estão em estado crítico, enquanto outros sofreram ferimentos leves, disse um funcionário do Hospital Nacional de Colombo.

Milhares de manifestantes entraram na capital vindos dos subúrbios depois que a polícia suspendeu o toque de recolher durante a noite. Com o abastecimento de combustível escasso, muitos se aglomeraram em ônibus e trens para ir à cidade protestar, enquanto outros fizeram o caminho de bicicleta e a pé.

Em abril, o Sri Lanka anunciou a suspensão do pagamento de empréstimos estrangeiros devido à escassez de moeda estrangeira. Sua dívida externa total é de US$ 51 bilhões, dos quais deve pagar US$ 28 bilhões até o final de 2027.

A polícia impôs um toque de recolher em Colombo e várias outras áreas urbanas principais na noite de sexta-feira, mas o retirou no sábado de manhã em meio a objeções de advogados e políticos da oposição que o consideraram ilegal.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Colombo Page