80% da população judaica mundial é desconectada do judaísmo

A população judaica do mundo é de 14.410.700, disse a ministra dos Assuntos da Diáspora Omer Yankelevitch ao Comitê de Assuntos de Absorção, Imigração e Diáspora do Knesset no relatório anual de seu ministério para o comitê.

A população judaica em Israel é a maior, com 6.740.000, seguida pela América do Norte, com 6.088.000. Estima-se que a Europa tenha 1.072.400 judeus, a América do Sul tem 324.000, a Ásia (exceto Israel) tem 300.000, a Austrália e a Nova Zelândia têm 120.000 e a África 74.000.

De acordo com o diretor-geral do ministério, Dvir Kahana, 80% dos judeus da diáspora não se sentem conectados ao judaísmo. E uma das preocupações do Ministério é fortalecer a identidade judaica e os laços com Israel.

O presidente do comitê, David Bitan (Likud), disse que a angústia das pequenas comunidades judaicas no exterior, que não conseguem se sustentar, é um problema grave. “Se não fortalecermos as comunidades da diáspora, não teremos quem trazer para Israel”, disse ele. “A pandemia de corona provocou uma nova e única onda de antissemitismo em todo o mundo, e Israel deve condenar o fenômeno antissemitismo em todas as suas formas”. Ele disse que havia recebido um compromisso do Ministro das Finanças Israel Katz de alocar NIS 20 milhões para ajudar essas comunidades.

LEIA TAMBÉM

Segundo Yankelevitch, hoje, mais do que nunca, Israel deve expressar sua obrigação para com os judeus em Israel e na diáspora e atuar como o governo do povo judeu. E acrescentou: “o ministério ajustou seus planos, desviou os orçamentos e construiu novas diretrizes para ajudar e apoiar a existência das comunidades judaicas neste momento difícil”.

Entre as iniciativas apresentadas estão: seminários para reforçar a resiliência comunitária das comunidades judaicas; um fórum de grandes organizações judaicas em todo o mundo, liderado pelo Ministério de Assuntos da Diáspora e pela Agência Judaica, para discutir os desafios que as comunidades judaicas estão enfrentando atualmente; acampamentos de verão virtuais para jovens judeus no exterior, incluindo reuniões virtuais com adolescentes em Israel e treinamento de professores em como ensinar remotamente – convertendo o sistema formal de educação judaica do mundo para um formato online.

A deputada Michal Wunsh mencionou a importância de remover barreiras na absorção de imigrantes judeus, a fim de facilitar sua integração na sociedade.

A deputada Tehila Friedman, ex-funcionária do Ministério de Assuntos da Diáspora, que morou em Boston e trabalhou para federações judaicas em Nova Jersey, queixou-se do alto custo da educação judaica nos EUA. “Nos EUA, você precisa vender um rim para enviar seus filhos para escolas judaicas”, disse ela. “Se Israel investir nesta questão, isso poderá ajudar a derrubar a assimilação”.

Um comentário em “80% da população judaica mundial é desconectada do judaísmo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *