80% dos portadores de COVID vacinados não infectam

Dados do Ministério da Saúde indicam que 80% dos indivíduos vacinados que recentemente contraíram infecções do COVID-19 não infectaram outras pessoas em locais públicos, segundo reportagem do Canal 12.

De acordo com a pesquisa, a maioria dos portadores de COVID-19 imunizados não espalhou o vírus para ninguém durante shows, restaurantes, academias ou salas de eventos.

Outros 10% espalharam o vírus para outra pessoa nesses locais e 3% infectaram duas ou três outras (para os 7% restantes, não está claro se eles foram responsáveis ​​por infectar outras pessoas). O relatório não deu detalhes sobre quantas pessoas foram infectadas por indivíduos não vacinados nesses locais.

Os dados foram divulgados depois que os ministros aprovaram o restabelecimento do “passaporte verde” na quinta-feira, limitando a participação em grandes eventos àqueles que estão vacinados, se recuperaram do COVID-19 ou que apresentem um resultado de teste negativo válido.

As novas restrições se aplicarão a eventos com mais de 100 participantes, a partir de 29 de julho. A exigência de apresentação de comprovante de vacinação, recuperação ou teste negativo das últimas 72 horas só se aplica a maiores de 12 anos. Abaixo dessa idade, não haverá restrições, embora regras para menores de 12 anos devam ser anunciadas no futuro.

Um comunicado do Gabinete do Primeiro Ministro disse que o Passaporte Verde também será reintegrado em eventos esportivos, academias, restaurantes, conferências, atrações turísticas e locais de culto, embora enfatizando que não haverá limitações de capacidade nas reuniões ou nesses locais.

LEIA TAMBÉM

Bennett apelou para que todos os israelenses recebam a vacina contra o coronavírus, acusando aqueles que podem ser vacinados e não o fizeram de colocar em perigo o resto do país.

Ele alertou que as resistências à vacina podem fazer com que o governo imponha o quarto bloqueio nacional desde o início da pandemia.

Os menores de 19 anos são responsáveis ​​por mais de 20% de todos os casos, mas apenas 40% daqueles entre 10 e 19 anos já receberam pelo menos uma dose. As vacinas são oferecidas a maiores de 12 anos.

A chefe dos serviços de saúde pública, Sharon Alroy-Preis, disse no sábado que as autoridades estavam debatendo se deveriam oferecer uma terceira injeção de reforço aos israelenses ou esperar por uma vacina que é feita sob medida para a variante Delta do coronavírus.

O comentário veio depois que um comitê de vacinas do Ministério da Saúde supostamente votou contra a recomendação de uma terceira dose de reforço para idosos, dizendo que seria mais eficaz esperar por uma vacina visando especificamente a variante Delta que está sendo desenvolvida pela Pfizer.

De acordo com o noticiário da emissora pública Kan, os membros do comitê disseram que, embora a eficácia da vacina pareça estar diminuindo, seria melhor esperar por uma dose de reforço adaptada à cepa. A decisão final agora vai para o Diretor-Geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash.

Na semana passada, Israel começou a administrar doses de reforço  para aqueles com sistema imunológico enfraquecido, incluindo pacientes de transplante de coração, fígado e rim, apesar da falta de aprovação de agências regulatórias estrangeiras.

Mas funcionários do Ministério da Saúde indicaram que a terceira dose para a população em geral não é iminente, enfatizando que a vacina continua sendo muito eficaz.

Alroy-Preis também alertou, no sábado, que a pandemia COVID-19 “ainda está aqui, precisamos aprender a conviver com ela”.

Como os israelenses fazem cada vez mais viagens internacionais, Alroy-Preis enfatizou a necessidade de obediência aos regulamentos de quarentena e disse que o Ministério da Saúde está trabalhando para identificar o nível de risco em outros países.

“Temos que entender que os testes não são 100 por cento. Já sabemos disso há algum tempo. Os testes não são uma alternativa à quarentena”, disse ela.

A morbidade e mortalidade do COVID atingiram níveis mínimos, depois da campanha de vacinação em massa, mas Israel teve um salto nas infecções que foi em grande parte atribuído à variante Delta.

Israel pode vacinar crianças contra COVID-19 nas escolas, de acordo com um relatório na sexta-feira, dado que o país se aproxima do início do ano letivo em meio a uma onda de ressurgimento de casos de coronavírus.

O governo tem feito campanha para vacinar o maior número possível de crianças com 12 anos ou mais e pode exigir que apresentem testes negativos antes de poderem entrar na escola, disse um relatório do Canal 12.

Os ministérios da saúde e da educação devem publicar suas propostas para o próximo ano letivo. A maioria das escolas retorna no final de agosto, mas as escolas ultraortodoxas começam em 8 de agosto.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Marcia Cherman Sasson (Revista Bras.il)

One thought on “80% dos portadores de COVID vacinados não infectam

Fechado para comentários.