Bennett considera retornar às “malas de dinheiro”

Depois que a Autoridade Palestina se recusou a transferir os salários para funcionários do Hamas, o primeiro-ministro Naftali Bennett está considerando retornar ao esquema das malas de dinheiro do Catar para a Faixa de Gaza, contrariando suas promessas.

Uma razão para isso é a dificuldade em encontrar outra solução que não envolva a transferência de dinheiro vivo para Gaza, já que nenhum banco está disposto a arriscar uma transferência ordenada que o exponha a processos judiciais. Autoridades de segurança estimam que, se o dinheiro não chegar, haverá conflitos no sul. A decisão ainda não foi tomada, mas a questão está sendo analisadas e uma decisão é esperada nos próximos dias.

Se for finalmente decidido voltar às malas de dinheiro, isso será uma quebra de compromisso por parte de Bennett e seu governo, que prometeram que a transferência de fundos desta forma seria interrompida. Em julho, Bennett abordou a questão em uma reunião de gabinete e disse: “Estamos trabalhando em uma solução que permitirá a ajuda humanitária ao povo de Gaza, mas sem as malas de dólares. As malas de dólares são algo que herdamos e precisamos acabar com isso”.

O acordo alcançado entre o Catar e a ONU sobre a doação do Catar à Faixa de Gaza, incluía três partes: a primeira parte é o pagamento a famílias carentes com um custo total de US$ 10 milhões por mês, a serem repassados aos bancos da Faixa e não em dinheiro.

A segunda parte do acordo incluiu a compra de combustível de uma empresa israelense para operar a usina de Gaza que está sendo transferida para a Faixa de Gaza, também a um custo de US$ 10 milhões.

LEIA TAMBÉM

A terceira e mais problemática parte é o pagamento de salários a funcionários do governo do Hamas em Gaza, de professores e médicos a trabalhadores de saneamento e limpeza, a um custo estimado de outros US$ 10 milhões . Essa parte é problemática porque é um pagamento direto aos membros do Hamas, que é definido em muitos países como uma organização terrorista. Até agora, esta parte foi paga em dinheiro através das malas, então não havia nenhum fator que pudesse ser questionado. Mas depois que Israel se recusou a permitir a transferência das malas de dinheiro, o Catar tentou chegar a acordos com bancos palestinos para transferir para suas filiais na Faixa.

A decisão da Autoridade Palestina de cancelar o acordo por medo de processos judiciais levou o Catar a buscar outras opções. Enquanto isso, há a preocupação de que o Hamas possa provocar uma escalada de violência a fim de pressionar todas as partes.

Uma fonte de segurança disse hoje que “estamos presos ao sistema. Estamos procurando soluções não por meio dos bancos da Autoridade Palestina. Faremos todo o possível para não voltar às malas de dinheiro”.

Na sexta-feira à noite, o enviado do Catar à Faixa de Gaza, Muhammad al-Amadi, anunciou que a Autoridade Palestina havia se retirado do acordo, segundo o qual iria transferir parte da doação do Catar destinada ao pagamento de salários a funcionários do Hamas. O Órgão de Fiscalização anunciou a rescisão do acordo devido ao receio de que os bancos sob a sua responsabilidade, que deveriam transferir o pagamento dos salários, ficassem expostos a questionamentos internacionais de ajuda e financiamento do terrorismo.

O gabinete do primeiro-ministro Bennett respondeu: “Conforme anunciado oficialmente, a concessão do Catar aos necessitados na Faixa de Gaza foi regulamentada por um mecanismo em cooperação com a ONU, com a concessão sendo transferida em cupons e não em malas com dinheiro, como aconteceu no passado”.

“Em relação à terceira parte do subsídio, várias alternativas estão sendo consideradas pelo sistema de defesa. Quando for encontrada uma forma adequada que garanta que o dinheiro não vá para atividades terroristas, ela será apresentada pelo ministro da defesa ao primeiro ministro. O formato anterior não será repetido”.

Fonte: Ynet
Foto: PxFuel