Bennett promete estabilidade política e financeira

O primeiro-ministro Naftali Bennett, o ministro do Exterior Yair Lapid e o ministro das Finanças, Avigdor Liberman, deram uma entrevista coletiva conjunta no sábado, após o Shabat, sobre aprovação do orçamento do estado para 2021-2022.

Bennett abordou os sucessos do governo, enfatizando a eficácia de sua luta contra a variante Delta, por meio do uso de doses de reforço. “Basta olhar para a Europa para perceber onde estamos hoje, em comparação com o resto do mundo”, afirmou.

Em seguida ele voltou sua atenção para o orçamento do estado, o primeiro que foi aprovado em Israel em três anos. “Aprovamos o orçamento que promete estabilidade financeira e política”, disse ele.

“Quero agradecer a todos os envolvidos, Lapid, Liberman, que fizeram um excelente trabalho”. “O governo está estável”, acrescentou. “Há um longo caminho pela frente e cada um de nós, em sua função, começará a trabalhar. Não estamos no processo de uma quinta eleição agora, o que em si é uma bênção”. “Amigos”, concluiu ele, “amanhã de manhã, com um governo estável e um orçamento aprovado, começaremos a trabalhar”.

O ministro do Exterior, Yair Lapid, falou, dando ênfase especial ao agradecimento ao presidente do Ra’am, Mansour Abbas, por enfrentar o racismo e a discriminação na aprovação do orçamento do Estado.

A não aprovação do orçamento de 2021 antes de 14 de novembro resultaria na dissolução do governo e uma nova eleição, a quinta em dois anos.

LEIA TAMBÉM

Ao aprovar o orçamento, “concluímos o complexo processo de tirar Israel de três anos de instabilidade”, disse Bennett. “O governo está estável. Vai durar até o fim”.

Bennett também prometeu que passaria o cargo de primeiro-ministro para Lapid em 2023, conforme combinado.

A nova legislação inclui uma ampla gama de reformas para reduzir o custo de vida, aliviar as regulamentações, reformar o setor agrícola, aumentar a idade de aposentadoria para as mulheres, implementar mudanças bancárias, aumentar o orçamento da educação e melhorar os cuidados de saúde, entre outras medidas.

Durante a coletiva de imprensa de sábado, Lapid disse que Israel havia informado às autoridades dos Estados Unidos, em maio, sobre sua decisão de proibir seis grupos palestinos de direitos humanos sobre sua suposta conexão com o grupo terrorista Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP). Ele acrescentou que as autoridades europeias também foram notificadas e receberam atualizações ao longo do processo.

Na semana passada, funcionários do Shin Bet viajaram a Washington para informar às autoridades americanas sobre a designação de organizações terroristas. Israel ainda não tomou nenhuma ação contra os seis grupos.

Bennett e Lapid apresentaram também sua oposição à reabertura do consulado palestino em Jerusalém pelos Estados Unidos.

Em declarações à mídia após a aprovação do orçamento , o primeiro-ministro disse que “não há lugar para um consulado americano que atenda aos palestinos em Jerusalém”. Isso foi transmitido a Washington “por mim e pelo ministro das Relações Exteriores, Yair Lapid”, disse ele.

“Estamos expressando nossa posição de forma consistente, silenciosa e sem drama, e espero que seja compreendida. Jerusalém é apenas a capital de Israel”.

O ministro das Relações Exteriores também comentou sobre a decisão do Departamento de Comércio dos EUA de colocar na lista negra duas empresas israelenses de spyware para telefones, o NSO Group e a Candiru.

“A NSO é uma empresa privada, não é um projeto governamental e, portanto, mesmo que seja designada [como envolvida em atividades cibernéticas maliciosas], não tem nada a ver com as políticas do governo israelense”, disse Lapid.

Pouco depois da coletiva de imprensa, o Likud respondeu em um comunicado criticando o orçamento e reiterando suas previsões do colapso iminente do governo. “Após a aprovação do mau orçamento, que aumenta os preços, impõe impostos e transfere dezenas de bilhões de shekels de cidadãos israelenses para o Movimento Islâmico, as chances de derrubar o governo aumentam”, escreveu o Likud. “Netanyahu aprovou mais orçamentos estaduais do que qualquer outro líder no mundo ocidental.

“O governo sob sua liderança encabeçou uma política econômica de sucesso e, graças a eles, Israel foi um dos primeiros países do mundo a sair da pandemia COVID”.

O deputado Amichai Chikli (Yamina) também repudiou a conferência de imprensa realizada pelo líder do seu partido, Naftali Bennett. “Meus cumprimentos aos três mosqueteiros que ‘salvaram’ o Estado de Israel do caos e estão celebrando a aprovação do orçamento como se fosse uma invasão da Normandia. Mas onde está Mansour Abbas?”, perguntou.

Fontes: Hamodia e The Times of Israel
Foto: Ohad Zwigenberg/POOL (Flash90)