Cientistas inventam nariz para cheirar bactérias

Cientistas da Universidade Ben-Gurion do Negev, em Israel, inventaram um nariz artificial que é capaz de detectar bactérias, um desenvolvimento que pode ter uma ampla gama de aplicações, informou o Ynet.

“Nós inventamos um nariz artificial baseado em nanopartículas de carbono únicas (“pontos de carbono”) capazes de detectar moléculas de gás, particularmente detectando bactérias por meio dos metabólitos voláteis que elas emitem para o ar”, disse o pesquisador principal, Professor Raz Jelinek.

O nariz “cheira” a presença de bactérias por meio de um processo de registro das mudanças de capacitância induzidas na ligação de moléculas de vapor em eletrodos interdigitados (IDEs) revestidos com pontos de carbono exibindo diferentes polaridades.

O aprendizado de máquina pode treinar o sensor para identificar diferentes moléculas de gás, individualmente ou em misturas, com alta precisão, afirma a equipe de pesquisa.

LEIA TAMBÉM

Entre as aplicações potenciais estão: detecção de alimentos estragados, identificação de bactérias em hospitais e edifícios públicos, testes de diagnóstico de doenças pela respiração, acelerar o teste de amostras de laboratório, identificar bactérias “boas” versus bactérias patogênicas no microbioma, identificação de gases tóxicos e monitoramento ambiental.

Fonte: Hamodia
Foto: mohamed Hassan (Pixabay)