Drama das vacinas para entrada de turistas em Israel

O Ministério da Saúde decidirá se a dose de reforço será necessária para pessoas vacinadas com a vacina Moderna, disse o Diretor Geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash, ao The Jerusalem Post.

A maioria dos turistas que desejam visitar Israel provavelmente não precisará mais solicitar permissão especial para entrar no país a partir do mês que vem, disse o diretor-geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash, ao The Jerusalem Post.

“A intenção é até o início de novembro permitir a entrada total de turistas que atendam aos nossos requisitos para a vacinação completa”, disse Ash. “Qualquer um poderia entrar. Não haveria mais comitês especiais nem nada. Eles comprariam uma passagem e entrariam se atendessem aos critérios”.

Ele disse que os detalhes finais do plano ainda estão sendo decididos e um anúncio é esperado já na próxima semana.

A definição de totalmente vacinado, atualmente em Israel, se aplica a pessoas que foram vacinadas com duas doses nos últimos seis meses ou que foram vacinadas duplamente antes disso, mas receberam uma dose de reforço. Indivíduos que tiveram o vírus nos últimos seis meses ou que o tiveram e receberam uma dose de reforço também atenderiam aos critérios.

Os não israelenses foram efetivamente proibidos de entrar no país nos últimos 18 meses em um esforço para conter a pandemia COVID-19. Somente a partir de abril de 2021, as autorizações de entrada foram concedidas a parentes de primeiro grau de pessoas que vivem em Israel. Mas, mesmo assim, o processo de entrada foi complicado, e muitos lutaram para obter permissão para vir.

LEIA TAMBÉM

Para provar que estão totalmente vacinados, os viajantes com certificados digitais de vacinação ou “passaportes verdes” teriam seus documentos digitalizados e verificados no aeroporto.

No mês passado, os Ministérios da Saúde e do Exterior anunciaram que o país aderiu ao programa de certificação digital COVID da União Europeia. Este programa de viagem tem como objetivo permitir que israelenses vacinados e recuperados viajem para estados membros da UE e outros países que são membros do programa e tenham seu certificado reconhecido pelo país de destino. Ao mesmo tempo, os viajantes dos países membros teriam seus certificados de vacinação e recuperação reconhecidos em Israel.

Cerca de 40 países fazem parte do consórcio e existem, é claro, outros países que também oferecem certificados de vacinas verificáveis ​​digitalmente. No entanto, um país que geralmente não o faz são os Estados Unidos. Isso significa que se o novo projeto exigir um certificado de vacinação digital, a maioria dos americanos não seria elegível para entrar em Israel livremente.

“Não decidimos exatamente de quais países o turismo será permitido”, disse Ash, “mas em geral, pelo menos na primeira fase, estamos recomendando que apenas aqueles que têm certificados de vacinação digital, podem entrar livremente, para que possamos gerenciar a entrada de forma eficaz.

“Mas não estará finalizado se apenas os países digitais forem incluídos na primeira fase”, acrescentou.

Existem alguns estados dos EUA que oferecem registros digitais, mas a maioria não. Como tal, disse Ash, para os países não digitalizados, seria necessário desenvolver um sistema computadorizado que pudesse efetivamente aceitar e decifrar os certificados de vacinação em papel fornecidos nos Estados Unidos e em outros países.

“Como requer programação, nossa recomendação é que demore algumas semanas a mais, mas ainda não temos certeza”.

Outro desafio são os viajantes que foram inoculados com uma vacina diferente da Pfizer.

Antes que a definição de totalmente vacinado fosse alterada em setembro, os viajantes que recebiam permissão para entrar só precisavam comprovar que haviam sido inoculados com uma vacina aprovada pelos EUA ou União Europeia – Pfizer, Moderna, AstraZeneca ou Johnson e Johnson – a qualquer momento.

No entanto, com a exigência de reforço, a situação tornou-se mais complicada. Isso porque nem todo mundo se qualifica para uma dose de reforço em seu próprio país e nem todas as vacinas têm uma dose de reforço aprovada ainda.

Embora a Food and Drug Administration dos EUA tenha aprovado a dose de reforço da Pfizer, ela só o fez  para pessoas com 65 anos ou mais, ou aquelas que correm alto risco de contrair coronavírus ou desenvolver um caso grave. Além disso, o FDA ainda não aprovou o reforço para a Moderna, nem para as outras vacinas.

Estudos mostraram que a eficácia da vacina Moderna diminui mais lentamente do que a da Pfizer.

Nas últimas semanas, o Jerusalem Post confirmou que os viajantes vacinados há mais de seis meses, mesmo com uma vacina que ainda não requer uma dose de reforço, estão sendo solicitados a tomar uma ou não poderão entrar em Israel e ficar isentos de um período mínimo de sete dias de isolamento. Ou seja, quem tomou duas doses da Moderna em janeiro ou fevereiro, por exemplo, foi instruído extra-oficialmente pelo Ministério da Saúde a tomar uma terceira dose.

“Em geral, pedimos uma terceira dose e a verdade é que não há uma para a Moderna”, disse Ash.

“Mesmo para a nossa própria população, ainda não definimos uma política… Com certeza é um problema sobre o qual precisamos tomar uma decisão”.

Ele disse que o comitê consultivo do Ministério da Saúde para o controle da epidemia e vacinas contra o coronavírus vem discutindo o assunto desde a semana passada e planeja decidir antes de lançar o programa de viagens em novembro.

Enquanto isso, as pessoas precisam tomar uma terceira dose ou ficar isoladas? “A resposta é sim”, disse Ash, “mas acho que isso vai mudar”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Marcia Cherman Sasson (Revista Bras.il)