EAU condena israelense à morte por porte de cocaína

Uma mulher israelense foi condenada à morte, na terça-feira, em um tribunal nos Emirados Árabes Unidos por portar meio quilo de cocaína.

A suspeita identificada como Fida Kewan, de 43 anos, moradora de Haifa, de acordo com Walla News, chegou a Abu Dhabi em março do ano passado.  Uma semana após sua chegada, seu apartamento foi revistado pela polícia , que encontrou as drogas e a prendeu. Kewan alegou que as drogas não eram dela, e seu advogado local deve recorrer da decisão.

Kewan se apresenta como palestina e muitas vezes se manifesta contra o Estado de Israel. Há alguns anos, houve grande discussão nas redes sociais quando ela se recusou a deixar soldados uniformizados tomarem café em seu café na Hillel Street, em Haifa.

Nos Emirados Árabes Unidos, as penas de morte geralmente não são realmente executadas e, em vez disso, são substituídas por outra pena.

O ministério do Exterior de Israel está ciente do incidente e está cuidando do caso. Vários israelenses foram pegos contrabandeando drogas para os Emirados Árabes Unidos desde que os Acordos de Abraham foram assinados.

No ano passado, Khalil Dasuki, morador de Lod, foi preso em Dubai por tentar contrabandear concaína pura no valor de US$ 136.000.000, com a polícia de Dubai chamando-a de a maior apreensão de drogas já realizada na região.

Na época, a polícia de Dubai anunciou na época que havia frustrado uma tentativa de contrabando de 500 kg de cocaína pura em uma operação chamada “Scorpion”.

LEIA TAMBÉM

As drogas estavam escondidas dentro de um contêiner de carga. Desde fevereiro, Dasuki também está enfrentando a possibilidade de ser condenado à morte.

Autoridades com conhecimento do caso disseram ao The Times of Israel que esperam que a sentença seja reduzida a uma longa pena de prisão mediante recurso.

Fontes: The Jerusalem Post e The Times of Israel
Foto: Canva e Fidaa Kiwan (Cortesia)