Empresas israelenses interrompem operações na Rússia

Várias empresas de tecnologia israelenses suspenderam ou suspenderão suas operações comerciais na Rússia devido à guerra em andamento contra a Ucrânia, em meio a uma avalanche de sanções governamentais coordenadas por nações ocidentais e um boicote de empresas públicas  e privadas que começou dias depois que as tropas russas invadiram a Ucrânia em fevereiro.

À medida que a guerra entra em sua terceira semana, essas medidas punitivas contra Moscou vêm ganhando força.

Até domingo, mais de 350 empresas, incluindo empresas de tecnologia, grandes fabricantes e marcas de consumo, suspenderam ou interromperam completamente suas operações na Rússia ou restringiram seus serviços para pressionar o Kremlin sobre a guerra, de acordo com uma contagem mantida por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Yale. A lista inclui Visa, Apple, Facebook, Mastercard, Amazon, Google, Ford, Dell, DHL e McDonald’s, além de uma série de marcas de luxo.

Essas medidas foram combinadas com sanções contra agências, empresas e indivíduos russos, como o presidente Vladimir Putin, bem como dezenas de oligarcas, cuja escala os analistas econômicos dizem ser sem precedentes.

Em Israel, o governo evitou sanções à Rússia ou críticas diretas ao Kremlin, pois busca equilibrar seus laços com Kiev e Moscou. O país também não tomou nenhuma ação contra os oligarcas russos com ativos em Israel, principalmente Roman Abramovich, um magnata russo-israelense que recebeu sanções do Reino Unido e Canadá.

Mas na semana passada, um conjunto de grandes empresas israelenses se juntou às fileiras de multinacionais que congelam ou restringem suas atividades na Rússia, incluindo a Fiverr, uma empresa que conecta empresas com freelancers que oferecem serviços e produtos digitais; o criador da web Wix, que emprega cerca de 1.000 desenvolvedores ucranianos; a gigante de jogos Playtika; a Payoneer, empresa de processamento de pagamentos com histórico anterior de entrar em conflito com sanções em regiões como Crimeia, Irã, Sudão e Síria; e a fintech Tipalti.

LEIA TAMBÉM

O cofundador e CEO do Fiverr, Micha Kaufman, disse que a “devastação na Ucrânia requer ação” e que a empresa, negociada na Bolsa de Valores de Nova York com um valor de mercado de cerca de US$ 2,3 bilhões, estava suspendendo seus negócios na Rússia.

O cofundador do Wix, Avishai Abrahami, disse no LinkedIn na semana passada que a empresa, negociada na Nasdaq com um valor de mercado de US$ 4,39 bilhões, parou de operar na Rússia e “não vende e não venderá nada na Rússia e nenhum comércio pode ocorrer”.

A Playtika, empresa de jogos fundada por israelenses, que tem funcionários em três grandes cidades ucranianas, incluindo a capital, disse que estava retirando seus jogos online das lojas de aplicativos na Rússia “até novo aviso” e contribuindo com fundos para o Fundo de Apelação da Cruz Vermelha da Ucrânia. Com sede em Herzliya, a Playtika abriu seu capital na Nasdaq no ano passado e atualmente tem um valor de mercado de cerca de US$ 8 bilhões.

Com as sanções em mente, a empresa de pagamentos Payoneer disse que “não aceitará novos clientes e, depois de cumprir suas obrigações com seus usuários existentes na Rússia, de acordo com seus contratos de serviço, os serviços também serão interrompidos para eles”.

“Não podemos, com a consciência tranquila, apoiar um governo agressivo que interrompeu décadas de paz na Europa”, acrescentou a empresa em comunicado.

A fintech Tipalti, desenvolvedora de soluções de pagamentos e conformidade, disse que era “obrigada a trabalhar com sistemas de triagem de sanções para identificar crimes financeiros e verificar listas de classificação antes de cada transferência de pagamentos na plataforma da empresa. Neste momento, esses sistemas não permitem a transferência de pagamentos para a Rússia”, afirmou em comunicado. A Tipalti diz que processa mais de US$ 30 bilhões em volume total de pagamentos anuais em mais de 150 países.

O Ministério da Economia e Indústria realizou um webinar na semana passada para empresas que exportam produtos ou serviços para a Rússia ou mantêm outras relações comerciais com entidades russas para ajudá-las a ficar por dentro das regulamentações e como elas podem ser afetadas.

Enquanto isso, o governo dos EUA advertiu Israel contra receber “dinheiro sujo” da Rússia e pediu a Jerusalém que se unisse às sanções ocidentais contra Moscou.

A subsecretária de Estado para assuntos políticos dos EUA, Victoria Nuland, disse ao Canal 12 de Israel neste fim de semana que Israel deveria aderir às sanções ocidentais e barrar os oligarcas russos.

“O que estamos pedindo, entre outras coisas, é que todas as democracias do mundo se juntem a nós nas sanções financeiras e de controle de exportação que impomos a Putin. Temos que espremer o regime, temos que negar a renda de que precisa”, disse Nuland.

Israel forneceu ajuda humanitária à Ucrânia, incluindo equipamentos médicos e geradores para um hospital, mas até agora se recusou a enviar equipamentos militares, incluindo equipamentos de defesa, como coletes à prova de balas e capacetes.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

2 thoughts on “Empresas israelenses interrompem operações na Rússia

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: