Israel admitirá qualquer ucraniano com parente no país

O governo permitirá que ucranianos com um parente em Israel entrem no país, anunciou a ministra do Interior Ayelet Shaked no domingo, marcando uma mudança na política.

Ucranianos com parentes israelenses poderão ficar “por um mês ou dois” e terão que assinar uma declaração de que não pretendem permanecer, disse ela.

Uma outra cota será estabelecida para refugiados ucranianos que não têm parentes em Israel, em conformidade com o acordo de isenção de visto entre Kiev e Jerusalém antes de a Rússia atacar a Ucrânia.

“Apesar de todos aqueles que me atacam, não esqueço que somos, em primeiro lugar, o lar nacional do povo judeu, e colocaremos a maior parte de nossos esforços naqueles que se qualificam para imigrar sob a Lei do Retorno”, disse Shaked.  “É possível fazer algo populista, mas eu escolho fazer algo certo, mesmo que seja impopular”.

“Eu digo a todos os críticos, vá ao Terminal 1 no Aeroporto Ben-Gurion e veja como centenas de novos imigrantes chegam todos os dias”, disse ela. “São pessoas que fugiram das batalhas e também se qualificam para imigrar sob a Lei do Retorno, e estamos absorvendo-as e tornando-as cidadãos”.

“Nenhum outro país está lidando com tanta absorção imediata”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM

Israel se preparou para receber 100.000 ucranianos sob a Lei do Retorno, que permite a qualquer pessoa com pelo menos um avô judeu imigrar para Israel.

O ministro do Exterior, Yair Lapid, apoiou a expansão da política de refugiados.

“Não fecharemos nossos portões e nossos corações para pessoas que perderam seu mundo inteiro”, disse ele no domingo na passagem de fronteira de Siret entre a Romênia e a Ucrânia . “Temos o dever moral de fazer parte do esforço internacional para ajudar os refugiados ucranianos a encontrar um lar. É nosso dever não apenas ser bons judeus, mas também boas pessoas”.

Lapid se juntou a outros membros do gabinete que criticaram a política anunciada por Shaked na semana passada, que limitou o número de refugiados ucranianos que entram no país que não se qualificam sob a Lei do Retorno a 25.000, incluindo os quase 20.000 que já estão em Israel. Ele criticou a política apesar de ser um dos ministros envolvidos em sua formulação.

“Em Israel, temos nove milhões de habitantes e nossa identidade judaica não será prejudicada por mais alguns milhares de refugiados”, disse ele. “Nossos filhos aprenderão uma importante lição de moral e responsabilidade”.

Ao mesmo tempo, Lapid disse que Israel não poderia absorver dezenas de milhares de refugiados não judeus e pediu uma política “equilibrada”.

“Podemos deixar mais refugiados entrarem”, disse ele. “Podemos e devemos ser mais generosos, mas não podemos permitir a entrada de refugiados sem limites. O governo encontrará o equilíbrio”.

A política continua problemática, disse o ministro de Assuntos da Diáspora, Nachman Shai, após o anúncio de Shaked.

“Nenhum outro país impôs limites aos refugiados”, disse ele. “Esse esquema ainda é problemático e estamos novamente restringindo a chegada de refugiados e fazendo uma distinção entre aqueles que têm família em Israel e aqueles que não têm”.

“Como tenho dito repetidamente nos últimos dias, Israel deve assumir um papel mais amplo e ativo no esforço humanitário para resgatar cidadãos ucranianos que fogem da guerra”, acrescentou. “Este é o ato ético e humano que devemos realizar”.

Lapid visitou um centro da Agência Judaica em Bucareste, onde disse aos judeus lá reunidos que Israel é seu lar.

“É por isso que o Estado de Israel foi estabelecido, para momentos como este, para garantir que não haja um judeu no mundo sem ter para onde ir”, disse ele. “Quando você pousar no Aeroporto Ben-Gurion, algo estranho acontecerá e você se sentirá em casa”.

Lapid disse quem embora não estivesse feliz com as circunstâncias que os levaram a se mudar para Israel, ele os recebe no país.

Ele foi acompanhado pelo vice-diretor-geral da Agência Judaica, Yehuda Stone, que está gerenciando os esforços para ajudar milhares de judeus ucranianos a chegar a Israel. O centro em Bucareste foi instalado nas últimas semanas após o início da invasão russa. É um dos quatro onde estão abrigados um total de 1.000 refugiados judeus da Ucrânia.

Lapid enfatizou a condenação de Israel à invasão da Ucrânia pela Rússia durante sua visita a Bucareste no domingo. Israel ajudará a alcançar uma solução pacífica da maneira que puder, disse Lapid.

A Romênia ajudou Israel a salvar vidas auxiliando na evacuação através da fronteira Siret de moradores do orfanato judaico em Odessa, crianças com câncer que foram a Israel para cuidados médicos e milhares de refugiados, disse ele.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Canva e Wikimidia

One thought on “Israel admitirá qualquer ucraniano com parente no país

Fechado para comentários.