Escritores assinam petição pela independência da Biblioteca

Dezenas de escritores e poetas israelenses assinaram uma petição, neste sábado, contrários aos planos do governo de transferir a autoridade da Biblioteca Nacional (BNI) para o Ministério da Educação.

A emenda que afeta a BNI permitiria que o ministério controlasse as nomeações para o conselho da biblioteca, bem como aumentasse a “transparência e a supervisão pública” da instituição, informou o jornal Maariv.

“Opomo-nos veementemente a qualquer interferência política na seleção da gestão da Biblioteca Nacional e exigimos a continuação do seu funcionamento independente e profissional”, afirma a carta.

“Se a iniciativa de subjugar a Biblioteca Nacional aos partidos políticos se concretizar, não lhe confiaremos os nossos arquivos, impediremos as bibliotecas de transferir exemplares dos nossos livros para ela e não daremos apoio a nenhuma das suas atividades”, acrescenta.

Entre os signatários da petição estão David Grossman, Haim Be’er e Eli Amir. Também assinaram Gili Bar-Hillel, conhecida por traduzir os livros de Harry Potter para o hebraico, e as filhas do romancista israelense Amos Oz. A carta também desaprova a tomada do controle político da TV KAN, bem como “qualquer legislação que castre o sistema de justiça e prejudique os fundamentos democráticos do Estado de Israel”.

A petição enfatizou que a mudança causará danos irreversíveis ao status da Biblioteca, bem como danos às doações privadas essenciais para seu funcionamento contínuo, que nos últimos anos somaram cerca de um bilhão de shekels.

LEIA TAMBÉM

“A demanda para mudar a lei exclusiva da Biblioteca Nacional, que foi mantida no status quo por cerca de duas décadas, é uma ameaça real à existência contínua do tesouro do povo judeu por gerações”, argumentou o Presidente do Conselho de Diretores da Biblioteca Nacional, Sally Meridor. “O maior tesouro da Biblioteca Nacional é a confiança do público. Os particulares confiam as suas obras e coleções em benefício de todo o público e das gerações futuras”.

“Nestes dias de divisão e perigo de imagem para o Estado de Israel, a intenção de prejudicar um consenso tão importante enquanto danifica gravemente um bem nacional do público em geral é intrigante.”

A Biblioteca Nacional de Israel foi fundada em 1892 como um centro mundial para a preservação dos tesouros espirituais do povo judeu. Em 2007, a Knesset promulgou a Lei da Biblioteca Nacional, concedendo-lhe status independente por lei, a fim de documentar a criação cultural no Estado de Israel e fornecer acesso gratuito ao público em geral às coleções exclusivas ali abrigadas.

Fontes: The Jerusalem Post e The Times of Israel
Foto: Biblioteca Nacional de Israel

2 thoughts on “Escritores assinam petição pela independência da Biblioteca

  • 26 de fevereiro de 2023 em 11:16
    Permalink

    É estranho que esses mesmos escritórios sempre estiveram omissos e indiferentes às condutas antissionistas e antijudaicas de funcionários dessa mesma biblioteca! Cabe agora aos jornalistas que amam e vivem Israel sair de cima do muro e esclarecerem a verdade sobre o viés político entranhado em todas as instituições israelenses!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: