Exigência do uso de máscaras pode voltar

O primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro da Saúde Nitzan Horowitz estão avaliando uma série de novas medidas do COVID, incluindo a o retorno da obrigatoriedade do uso de máscara em locais fechados, para conter uma série de surtos em escolas.

O Ministério da Saúde está considerando obrigar o uso das máscaras nas escolas, Aeroporto Internacional Ben Gurion e, potencialmente, todos os espaços públicos internos, de acordo com vários relatos da mídia israelense no domingo.

O novo governo também deve restabelecer o gabinete do coronavírus que existia no governo anterior, já que as preocupações com a variante Delta extracontagiosa, que foi descoberta pela primeira vez na Índia, continuam a crescer em Israel.

O governo decidiu estabelecer uma nova área de teste no Aeroporto Ben Gurion e reforçar a aplicação da quarentena para aqueles que precisam – principalmente crianças não vacinadas e aqueles que retornam de países “vermelhos” – com a ajuda de funcionários da Autoridade de Fronteiras.

Milhares de pessoas que chegaram na sexta-feira foram liberadas sem fazer o teste COVID obrigatório devido a uma sobrecarga nas instalações de teste do aeroporto.

Bennett concordou em aprovar a convocação de 250 policiais para ajudar na aplicação das medidas de quarentena. O governo também está considerando distribuir multas aos pais de crianças não vacinadas que não observam a quarentena de maneira adequada.

LEIA TAMBÉM

Atualmente, os israelenses vacinados que viajam para a maioria dos países não são obrigados a entrar em quarentena ao chegar em Israel. A exceção são aqueles que chegam da Argentina, Brasil, África do Sul, Índia, México e Rússia, que são obrigados a ficar em quarentena mesmo que estejam vacinados, devido às altas taxas de COVID nesses países.

O Canal 13 informou que o Reino Unido poderia ser adicionado à lista de países “vermelhos”, o que também significaria que os israelenses seriam proibidos de viajar para lá.

A emissora noticiou no domingo que o governo está considerando reinstituir a quarentena para todos aqueles que retornam do exterior, incluindo aqueles que são vacinados, e trazer de volta os limites para reuniões que foram totalmente suspensos no mês passado.

Funcionários do Ministério da Saúde indicaram no domingo que os recentes surtos em escolas – em grande parte ligados a pessoas com teste positivo após retornarem do exterior – devem levar a um maior impulso para vacinar jovens de 12 a 15 anos.

Gabi Barbash, ex-diretor-geral do Ministério da Saúde, disse ao Canal 12 no domingo que todas as crianças elegíveis para serem vacinadas devem fazê-lo.

A vacinação para jovens de 12 a 15 anos em Israel começou há duas semanas, mas o Ministério da Saúde não emitiu uma recomendação direta para os adolescentes serem vacinados.

De acordo com a emissora pública Kan, o ministério agora está inclinado a recomendar que os adolescentes sejam vacinados o mais rápido possível e está considerando lançar uma campanha pública com o objetivo de convencer os pais a fazê-lo.

Barbash disse ao Canal 12 que recomendaria aos pais que não levassem nenhuma criança não vacinada para o exterior neste verão, devido ao medo da variante Delta.

Ele também disse que apoia a proposta de obrigar o uso das máscaras no Aeroporto Ben-Gurion, bem como nas escolas: “Temos que voltar atrás”.

Israel retirou oficialmente sua obrigatoriedade de uso de máscaras em locais fechados em 15 de junho, acabando com a exigência em praticamente todos os lugares, exceto em aviões.

Na primeira reunião de gabinete do governo no domingo, a ministra da Educação Yifat Shasha-Biton entrou em confronto com Bennett e Horowitz sobre os regulamentos do COVID. Shasha-Biton se opôs à prorrogação da Lei Coronavírus, que dá ao governo poderes de emergência para lidar com o vírus. A ministra da educação acusou o Ministério da Saúde e outros funcionários de agirem por motivos políticos, algo que Bennett e Horowitz rejeitaram.

Shasha-Biton se opôs à ideia de que Israel ainda está em uma situação de emergência e afirmou que os dados do mês passado confirmam sua afirmação.

O Ministro da Justiça Gideon Sa’ar propôs um acordo em que o governo proporia uma nova lei dentro de quatro meses que substituiria a lei atual, e Shasha-Biton teria aceitado esse acordo.

Na manhã de domingo, o Ministério da Saúde ordenou que todos os presentes em um show em Beit Shean na noite de quinta-feira – incluindo os vacinados – entrassem em quarentena depois que um espectador testou positivo para a variante Delta COVID.

Porém, no mesmo domingo, o Ministério da Saúde voltou atrás na decisão, dizendo que apenas aqueles que não foram vacinados devem entrar em quarentena, mas os outros participantes do evento devem fazer o teste e ficar em casa até receberem os resultados.

Até a noite de domingo, havia 287 casos ativos de COVID em Israel, incluindo 46 casos confirmados nas últimas 24 horas, de acordo com o Ministério da Saúde.

Fonte: The Times of Isral
Foto: Nenad StojkovicCC BY 2.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Exigência do uso de máscaras pode voltar

Fechado para comentários.