Gabinete do Corona: todos os alunos voltarão às aulas

Depois de um debate que durou até tarde da noite, o gabinete do coronavírus decidiu na noite de segunda-feira que os alunos de todas as séries que vivem em cidades verdes ou amarelas voltariam para suas salas de aula nas próximas semanas.

“No final de uma longa discussão, os ministros adotaram o plano formulado pelo Ministério da Educação junto com uma equipe de especialistas para abrir todas as escolas a partir deste domingo”, escreveu o Ministro da Educação Yoav Gallant em sua página do Facebook por volta das 3 da manhã. “No dia 29 de novembro, os alunos do ensino médio retornarão às escolas e uma semana depois, no dia 6 de dezembro, serão seguidos pelos demais alunos”.

Acrescentou: “Os diretores e professores estão preparados para abrir as diversas instituições de ensino e, juntamente com as autoridades sanitárias, vamos aumentar os testes para alunos e docentes, de forma a manter a sua saúde. Obrigado ao primeiro ministro e ministros do gabinete por seu apoio. A vocês, nossos queridos alunos, tudo o que resta é fazer as malas da escola”.

Especificamente, os alunos da 10ª à 12ª série retornarão à escola em 29 de novembro, de acordo com uma declaração do Primeiro Ministro, e da sétima à nona série na próxima semana. O plano se concentra em garantir que os alunos e professores sejam testados regularmente.

LEIA TAMBÉM

Alunos da quinta e sexta séries em todo o país voltam para suas salas de aula nesta terça-feira pela primeira vez em cerca de oito semanas. O gabinete do coronavírus confirmou que sua decisão anterior também poderia ser implementada na reunião, independentemente da taxa de infecção.

Ao mesmo tempo, é provável que as meninas das comunidades ultraortodoxas também voltem à escola em breve. Rabino Chaim Kanievsky, o principal rabino ultraortodoxo não hassídico em Israel, disse que todas as escolas femininas ultraortodoxas em todas as séries deveriam ser reabertas, apesar do atual fechamento de muitas séries devido à crise do COVID-19.

O gabinete do coronavírus se reuniu até tarde da noite na segunda-feira, debatendo um esboço para potencialmente abrir mais salas de aula. O ministro da Saúde, Yuli Edelstein, disse que apoia a permissão para que alunos da sétima à 12ª série que vivem em cidades verdes e amarelas voltem às suas salas de aula já na próxima semana, contanto que o governo concorde em não abrir outros estabelecimentos comerciais.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o primeiro-ministro alternativo Benny Gantz trocaram farpas na reunião, segundo relatos. Netanyahu alertou que a taxa de infecção aumentaria, dizendo que “não há chance de sobrevivermos nos próximos quatro meses sem que ela caia”, provavelmente aludindo a quando se espera que o país tenha acesso às vacinas prontamente disponíveis contra o vírus.

Gantz supostamente zombou de Netanyahu por apresentar uma proposta sobre escolas secundárias e removê-la. Netanyahu respondeu acusando Gantz de não estar informado sobre as decisões do governo.

A taxa de infecção e as escolas

A taxa de infecção em Israel tem aumentado moderadamente, de acordo com relatórios do Ministério da Saúde. No entanto, várias apresentações mostradas aos ministros na reunião de gabinete enfatizaram que o aumento do coronavírus não ocorre na maioria das escolas.

Atualmente, 1.530 crianças da pré-escola até a 12ª série estão infectadas com o coronavírus, informou o Ministério da Educação. Destas, 906, ou 60%, são do setor árabe. Outros 27% são da população em geral e 13% são ultraortodoxos.

O ministério apoia-se em um relatório preparado por pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém que também mostrou que não houve uma conexão direta entre a taxa de infecção e o retorno das crianças à escola.

Da mesma forma, Eran Segal, biólogo computacional do Instituto de Ciência Weizmann, disse que há uma taxa estável de infecção entre crianças de seis a 10 anos que voltaram à escola e uma diminuição para crianças entre recém-nascidos e seis.

“Vemos uma diminuição e estabilidade na morbidade no sistema educacional”, disse Segal, de acordo com o N12. “O sistema de ensino reflete a morbidade da localidade. Se houver índice zero de morbidade na cidade, o sistema educacional não será um gatilho para aumento da morbidade”.

“Estamos convencidos de que a abertura diferenciada do sistema de ensino pode ser feita com segurança”, afirmou.

As palavras de Segal foram comprovadas por um relatório apresentado pelo Ministério da Saúde antes da reunião, mostrando que havia nove localidades vermelhas e 22 laranjas em Israel – a maioria delas no setor árabe.

Na reunião, o Ministro da Educação Yoav Gallant disse que os alunos infectados geralmente contraem o coronavírus fora da escola.

“Vemos que a morbidade se deve a eventos fora do sistema educacional, como festa de aniversário e reuniões depois da escola”, disse.

Antes da reunião, Gallant e o ministro do Interior, Arye Deri, juntaram forças e disseram que pressionariam fortemente pela abertura de escolas.

“Não devemos perder uma geração inteira de crianças”, disse Deri.

Autoridades de saúde há muito argumentam que o fato de as crianças não frequentarem a escola não afeta apenas seu aprendizado de livros, mas também seu crescimento social e emocional.

O Ministério da Saúde notificou 749 novos casos de COVID-19 no domingo – 2,3% dos testados – e outros 536 entre a meia-noite e a manhã de segunda-feira. Havia 296 pessoas em estado grave, incluindo 115 intubadas. O número de mortos ficou em 2.810. A taxa de reprodução (R) ficou em 1,07.

Ultraortodoxos

Quanto a Kanievsky: Embora o gabinete estivesse discutindo a abertura de mais escolas, quando o rabino deu suas instruções para abrir escolas para meninas, elas foram contra as ordens do governo e se seguiram às suas instruções de um mês atrás, de abrir todas as séries de todas as escolas ultraortodoxas para meninos.

A filha de Kanievsky, Lea Kolodetsky, escreveu uma carta aos diretores das escolas no setor ultraortodoxo não hassídico, contando que o rabino havia dito que todas as escolas e séries para meninas deveriam reabrir o mais rápido possível.

“As meninas estão sentadas em casa e entediadas … e a situação de muitas meninas está realmente beirando a ameaça de vida”, afirmou ela.

“Meu pai, Rabino Chaim Kanievsky, me disse que os diretores e professores devem fazer de tudo para prevenir qualquer dano às meninas judias e para abrir instituições educacionais para todas as meninas com a devida cautela”, continuou ela em referência ao COVID-19.

Kolodetsky disse que o rabino instruiu todas as alunas nas escolas femininas a recitar várias passagens de salmos após as orações matinais – “e ele deu a bênção de que quem fizer isso não será prejudicado e não sofrerá nenhum dano, e terá o mérito de aumentar a honra do céu e terá muito orgulho de todos os seus descendentes”.

Na reunião de gabinete, o ministro do Ensino Superior, Ze’ev Elkin, apontou que a morbidade entre os estudantes ultraortodoxos é a mais baixa, embora tenham aberto a maioria das instituições de ensino.

Gallant concordou com isso, mas disse que “não elogiará aqueles que não seguirem as diretrizes”.

Fonte: Jpost

Foto: Pixabay

3 thoughts on “Gabinete do Corona: todos os alunos voltarão às aulas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *