Governo aprova quarta dose para maiores de 60 anos

O primeiro-ministro Naftali Bennett anunciou, no domingo, que o Ministério da Saúde aprovou a distribuição de uma quarta dose da vacina contra o coronavírus para israelenses com mais de 60 anos e para profissionais de saúde, se passados pelo menos quatro meses desde que receberam sua dose de reforço.

O primeiro-ministro fez a declaração, em meio à crescente preocupação com a forma como o governo está lidando com a onda Omicron, que tem enfrentado filas extremamente longas em centros de testes em todo o país.

Bennett justificou as decisões de seu governo até o momento, incluindo o fechamento dos céus no final de novembro.

“Fomos os primeiros no mundo a dar a vacina de reforço e essa política protegeu bem os cidadãos de Israel”, disse ele, acrescentando que a taxa de mortalidade de Israel está entre as mais baixas do mundo: 50 vezes menor que a do Reino Unido, 100 vezes menor que a da Alemanha e 130 vezes menor do que a dos Estados Unidos.

Ele argumentou que a economia ainda estava funcionando bem, mesmo enquanto o governo estava tomando medidas para proteger os mais vulneráveis.

Israel está tendo, atualmente, mais de 5.000 novos casos por dia, provavelmente chegará a 20.000 novos casos diários até o final da semana e poderá atingir 50.000 casos diários no pico da onda, Bennett alertou, acrescentando que o único antídoto eficaz para o pico foi a vacina.

“Aqui está o que precisamos que você faça: seja vacinado, vacine as crianças”, disse ele.

LEIA TAMBÉM

Bennett também encorajou os israelenses a usarem máscaras em espaços lotados, especialmente em ambientes fechados, e para as populações idosas evitarem totalmente as multidões.

“A vacinação protege você de doenças graves e da quarentena”, disse ele, reconhecendo o grande número de israelenses que foram forçados a se isolar devido à exposição a portadores de COVID.

Em um esforço para resolver o problema de dezenas de milhares de israelenses que foram forçados à quarentena, Bennett anunciou que qualquer israelense vacinado – uma vez que receba um teste COVID negativo – não precisa se isolar.

Bennett disse que as longas filas nos centros de teste eram uma realidade inevitável da onda atual e que simplesmente não havia recursos suficientes para lidar com um número tão grande de casos ativos de uma vez. No entanto, ele indicou que o governo avaliaria as mudanças nos requisitos de teste nos próximos dias.

O serviço de emergência Magen David Adom anunciou que estenderia seu horário nos locais de teste, expandindo o número de equipes médicas nos centros e adicionando novos postos de teste em todo o país.

“Seja paciente”, disse Bennett. “Sabemos que há filas nos centros de testes. Estamos nos preparando para mudar os critérios de testes para diminuir o congestionamento”.

De acordo com o Canal 12, uma das opções consideradas seria não exigir que israelenses expostos a uma pessoa infectada façam o teste, a menos que apresentem sintomas.

Bennett também disse que as restrições às viagens destinadas a conter a disseminação da variante Omicron do coronavírus provavelmente seriam suspensas esta semana.

“Fechei os céus há cinco semanas quando estava tudo bem e, na próxima semana, é provável que reabramos os céus”, disse ele.

Bennett reconheceu que tal movimento pode não parecer intuitivo, mas explicou que quando há menos infecções ativas, a disseminação do vírus do exterior tem um efeito muito mais significativo na morbidade do país. No entanto, quando já existem dezenas de milhares de casos em Israel, outras 50 infecções entre viajantes do exterior são “sem sentido”.

O governo também aprovou a concessão de um Passaporte Verde temporário para qualquer pessoa que tomar uma dose da vacina.

Os certificados temporários serão válidos por 30 dias após alguém receber a primeira dose da vacina e permitirão a entrada em todos os locais e eventos que requerem comprovação de imunização. Esses passaportes começarão a ser emitidos em 6 de janeiro.

O Diretor Geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash, também abordou o assunto em uma entrevista à rádio 103FM.

“Estamos criando um equilíbrio entre administrar a quarta dose e o conhecimento que temos sobre doenças graves. Estimamos que a morbidade grave seja menor e não há conhecimento suficiente para dizer que a quarta dose prevenirá a infecção em massa”.

Ash também disse que Israel pode estar à beira da imunidade coletiva.

“O preço da imunidade de rebanho são muitas infecções, e pode ser o que vai acontecer. Os números precisam ser altos para se chegar à imunidade de rebanho, isso é possível”, observou.

Também no domingo, o Ministério da Saúde anunciou que assinou um contrato para comprar o tratamento antiviral Molnupiravir. A pílula deve ser administrada a pacientes com coronavírus com sintomas leves ou moderados para prevenir sua deterioração. O tratamento provou reduzir as hospitalizações e mortes em 30% e recebeu a aprovação de emergência pela Food and Drug Administration dos EUA na semana passada.

Fontes: The Times of Israel e The Jerusalem Post
Foto: Canva