Governo deve colocar mais 10 países na “lista vermelha”

O Ministério da Saúde recomendou que o governo adicionasse 10 novos países à lista de  destinos designados “vermelhos” devido às altas taxas de infecção de COVID-19, enquanto Israel se prepara para uma onda de novos casos impulsionados pela variante Omicron.

Os ministros devem aprovar, ainda neste domingo, a recomendação de barrar viagens aos Estados Unidos, Itália, Alemanha, Bélgica, Hungria, Canadá, Marrocos, Portugal, Suíça e Turquia a partir de quarta-feira, 22 de dezembro

A decisão é impulsionada por dados vistos pelo primeiro-ministro Naftali Bennett, mostrando a probabilidade de “um surto significativo” de COVID-19 dentro de três semanas, com o pico ultrapassando o da onda Delta, que começou em junho.

Autoridades disseram que Bennett está “tentando ganhar tempo” para possivelmente atrasar a onda de infecções “fechando os céus” para destinos populares entre os israelenses.

Nos últimos dias, Israel já adicionou nove países à lista “vermelha” de exclusão aérea: Reino Unido, Dinamarca, França, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Irlanda, Noruega, Finlândia e Suécia. A África do Sul e uma série de outros países africanos foram adicionados no início do mês.

Os israelenses que retornam desses países são obrigados a entrar em quarentena em hotéis administrados pelo governo até que seu primeiro teste COVID dê negativo, após o que eles podem sair, mas devem permanecer em quarentena domiciliar por sete dias, mesmo que estejam totalmente vacinados.

LEIA TAMBÉM

O ministro da Defesa, Benny Gantz, aprovou, hoje, a abertura de outros dois “hotéis de coronavírus”.

Gantz também ordenou aos funcionários do ministério “que se preparem para a abertura de hotéis adicionais conforme necessário”, disse um comunicado de seu escritório.

Na quinta-feira, o gabinete votou pela extensão das atuais restrições a viagens, incluindo a proibição de entrada de estrangeiros no país e a exigência de que todos os israelenses que retornem permaneçam em quarentena por três dias após a entrada. As limitações agora vão durar até 29 de dezembro, pelo menos.

O ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, disse no domingo que as restrições eram necessárias para “ganhar tempo” para a campanha de vacinação.

Mas em um comunicado divulgado após a reunião de gabinete da manhã de domingo, na qual a expansão da lista de exclusão aérea foi discutida, a ministra dos Transportes, Merav Michaeli, disse que não apoiaria quaisquer restrições adicionais às viagens “até que a questão do apoio às companhias aéreas fosse resolvido”.

Ela disse que o governo estava “abandonando milhares de trabalhadores para os quais este é seu ganha-pão. Atualmente não há acordo de férias sem vencimento ou qualquer outra coisa que os apoie. Essas pessoas realizam um trabalho crítico e o Estado de Israel deve proteger o serviço oferecido pelas companhias aéreas”.

“Já ouvimos que a British Airways cancelou seus voos para Israel a partir de amanhã. Se não as companhias aéreas israelenses, quem vai levar os israelenses que estão atualmente no exterior de volta para casa? Exijo que o apoio às companhias aéreas seja acordado esta semana”, disse Michaeli.

Na reunião de gabinete, a ministra do Interior Ayelet Shaked advertiu que “dentro de quatro semanas, estaremos com dezenas de milhares de casos confirmados e milhares de salas de aulas fechadas”, relatou o Canal 12.

O Ministério da Saúde anunciou ainda neste domingo que mais 40 pessoas foram diagnosticadas com a variante Omicron do coronavírus, elevando o número de casos confirmados em Israel para 175.

O ministério disse que a maioria das infecções por Omicron, 113, foi detectada entre viajantes que retornavam do exterior. Outras 31 pessoas testaram positivo para a cepa após exposição a alguém recém retornado do exterior e 17 infecções foram de disseminação na comunidade.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Revista Bras.il

One thought on “Governo deve colocar mais 10 países na “lista vermelha”

Fechado para comentários.