Insatisfação conjugal aumenta o risco de ataque cardíaco

A insatisfação com a vida de casado aumenta o risco de morte por acidente vascular cerebral, diz um novo estudo da Universidade de Tel Aviv.

A pesquisa revela que perceber o casamento como malsucedido é um indicador significativo de morte por AVC e morte prematura entre os homens, não menos que do fatores de risco bem conhecidos, como tabagismo e falta de atividade física. O estudo foi baseado em dados de saúde de mais de 30 anos de pesquisas que acompanharam as mortes de 10.000 homens israelenses.

Como parte do estudo, os pesquisadores realizaram análises estatísticas de um banco de dados que começou a coletar dados na década de 1960 e, por 32 anos, rastreou a saúde e o comportamento de 10.000 homens, todos funcionários do Estado israelense, com atenção especial à morte por acidentes vasculares cerebrais e morte prematura em geral. No início do estudo, a maioria dos participantes tinha cerca de 40 anos. Desde então, 64% morreram de uma série de doenças.

“Queríamos analisar os dados coletados longitudinalmente usando vários parâmetros para identificar fatores de risco comportamentais e psicossociais que podem prever a morte por AVC e morte prematura por qualquer motivo”, Dr. Shahar Lev-Ari, chefe do Departamento de Promoção da Saúde, explica.

Os pesquisadores dizem que, no início do estudo longitudinal de 32 anos, os participantes foram solicitados a classificar seu nível de satisfação no casamento em uma escala de 1 (o casamento teve muito sucesso) a 4 (o casamento não teve sucesso).

LEIA TAMBÉM
Para surpresa dos pesquisadores, a análise mostrou que essa escala foi um fator preditivo em relação à expectativa de vida, muito semelhante ao tabagismo e à falta de atividade física. Por exemplo, o número de mortos por acidente vascular cerebral foi 69 por cento maior entre aqueles que classificaram sua satisfação com o casamento em 4 (ou seja, o casamento não teve sucesso) em comparação com aqueles que classificaram sua satisfação com o casamento muito bem – 40,6 mortos entre os muito insatisfeitos contra 24,0 entre os muito satisfeito.

Quando se tratava de morte por qualquer causa, a diferença era de 19% a favor dos casados ​​felizes. Os dados mostram que, enquanto entre os casados ​​infelizes houve 295,3 mortes por qualquer motivo, entre os casados ​​muito felizes houve apenas 248,5. Os pesquisadores observaram que as lacunas eram ainda maiores entre os homens relativamente jovens (com menos de 50 anos) no início do estudo.

Além disso, os pesquisadores realizaram uma análise estatística de todos os fatores de risco conhecidos que contribuem para a morte por doenças cardiovasculares, como diabetes, hipertensão, IMC excessivo e nível socioeconômico. Também aqui os dados foram altamente surpreendentes. Acontece que o risco relativo de morte por qualquer razão entre os casados ​​infelizes versus os casados ​​felizes era 1,21 maior entre os insatisfeitos com seus casamentos. Essa taxa é semelhante aos dados da literatura sobre fumantes e pessoas com vida sedentária.

O estudo foi conduzido por pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Faculdade de Medicina Sackler, da Universidade de Tel Aviv: Prof. Uri Goldbort do Departamento de Epidemiologia e Medicina Preventiva, que iniciou e gerenciou o estudo de longo prazo; Dr. Yiftah Gapner, do Departamento de Epidemiologia e Medicina Preventiva. O artigo foi publicado no Journal of Clinical Medicine.

Fonte: Hamodia