InternacionalNotícias

Iraque quer executar quem se comunica com Israel

O Iraque está prestes a introduzir uma lei que executaria os cidadãos que se comunicassem com israelenses.

As notícias da nova legislação circulou no momento em que delegados iraquianos de alto escalão deveriam estar em Londres para uma conferência comercial na qual serão homenageados pelos ministros britânicos.

Analistas destacaram o efeito de longo alcance da legislação proposta, que abrange cidadãos estrangeiros no Iraque e cidadãos iraquianos fora do Iraque. A redação se estende a iraquianos que visitam embaixadas israelenses e organizações ligadas a Israel no exterior.

Juntamente com a proibição de viajar para Israel, também proíbe a “comunicação” com israelenses, inclusive via mídia social.

A legislação vai além das semelhantes em estados como o Kuwait, tornando-a de longe a lei anti-Israel mais punitiva do mundo árabe. Membros do Conselho de Representantes do Iraque votaram na semana passada para avançar o projeto de lei, intitulado “Proibição da normalização e estabelecimento de relações com a entidade sionista”.

A proposta está agora perante uma subcomissão parlamentar, mas os analistas dizem que se espera que se torne lei.

O projeto de lei proíbe “contato e comunicação de qualquer tipo e meio com a entidade sionista ocupante, seus nacionais e representantes, sejam indivíduos, instituições ou organizações, por qualquer motivo”.

LEIA TAMBÉM

Também proíbe qualquer “assistência financeira ou moral” a Israel ou organizações israelenses, assim como a “promoção de quaisquer ideias, ideologias, princípios ou conduta israelense ou sionista, sob qualquer forma”. Qualquer pessoa considerada culpada enfrentaria “execução ou prisão perpétua”.

Se for introduzida, a lei abrangerá todo o Iraque, incluindo a região semi-autônoma do Curdistão, com os judeus iraquianos alertando que isso colocaria em risco familiares que falassem entre si através das fronteiras sob pena de morte.

Desde as eleições em outubro, a coalizão governista é liderada pelo influente clérigo xiita antiocidental Muqtada al-Sadr, que apresentou o projeto de lei.

Seu primo, Jaafar al-Sadr, é o atual embaixador iraquiano no Reino Unido e palestrante na Conferência de Primavera do Iraq Britain Business Council (IBBC) nesta semana na Mansion House em Londres, que promete “oportunidades de networking e negócios”.

Apesar dos milênios de história judaica na Mesopotâmia, o moderno estado do Iraque nunca teve laços diplomáticos com Israel

O líder judeu britânico Edwin Shuker, que nasceu no Iraque, chamou o projeto de “bárbaro” e “uma afronta ao Iraque e ao bom povo do Iraque com quem crescemos, que desejam paz e se reconectar com os judeus iraquianos onde quer que tenham estado”.

Ele disse: “Estes e outros estão agora ameaçados de execução. Isso é terrorismo patrocinado pelo Estado contra civis e eu, pelo menos, engavetei qualquer plano de visitar o país ou me conectar com ele, mesmo sendo um cidadão britânico”.

“Peço ao governo britânico que exija esclarecimentos e tome as medidas apropriadas contra essa brutalidade”.

Não é a primeira vez que legisladores iraquianos alavancam a pena de morte quando se trata de Israel. Durante o reinado de Saddam Hussein, o código penal exigia que aqueles que “promovessem ou se associassem a princípios e organizações sionistas” fossem executados.

Judeus iraquianos dizem que este é apenas o ataque mais recente, com a Lei de Cidadania do país, de  2006, “excluindo apenas a comunidade judaica do direito de recuperar sua nacionalidade iraquiana”, o que eles chamaram de “uma grande decepção” e “uma continuação da política de discriminação étnica”.

Tais leis foram desencadeadas como reação aos recentes degelos diplomáticos entre Israel e países como Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Marrocos. No entanto, apesar da pressão contra a normalização no Iraque e no Kuwait, outros estados árabes logo devem seguir o exemplo.

Fonte: JewishNews
Foto: Canva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *