Israel deve impor restrições mais rígidas

O gabinete do coronavírus deve se reunir nesta terça-feira para traçar uma lista de novas restrições que podem ser implementadas imediatamente após o Yom Kipur, na próxima semana.

Tanto o Hospital Universitário Samson Assuta Ashdod quanto o Centro Médico Shaare Zedek em Jerusalém disseram, na segunda-feira, que não poderiam acomodar mais casos de coronavírus. O diretor-geral do Ministério da Saúde, Chezy Levy, pediu aos hospitais que parassem de oferecer cirurgias eletivas e outros serviços e se concentrassem no COVID-19.

“Isso é urgente”, disse ele em uma carta aos CEOs dos hospitais. “Espero que todos ajam com responsabilidade pessoal e determinação.”

Enquanto isso, o IDF anunciou, também na segunda-feira, que abriria um hospital de campanha com 200 leitos para ajudar a acomodar o excesso de pacientes.

LEIA TAMBÉM

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o ministro da Saúde Yuli Edelstein estão pressionando para aumentar as restrições imediatamente após o Yom Kipur, na próxima segunda-feira. Eles poderiam incluir o fechamento de sinagogas, exigindo que os fiéis se reunissem do lado de fora, restrições mais rígidas aos negócios privados e mais restrições às manifestações.

One thought on “Israel deve impor restrições mais rígidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *